Hora de Aventura: A História Completa

0 comentários

Ao assistir aos episódios do desenho Adventure Time (aqui no Brasil, "Hora de Aventura"), deve ter notado que o desenho traz muitas referências a histórias não contadas em seus episódios. Você notou certo: tem uma história gigantesca nos desenhos e nos livros. Pra você entender tudo do mundo de Finn e Jake, você terá aqui a história completa e em ordem cronológica, divida em eras. Vale lembrar que a história sem bem explicada e detalhada e essa notícia terá um conteúdo muito extenso.


REFERÊNCIAS
Todas as informações daqui foram retiradas das seguintes fontes:

1. O desenho e todos os seus episódios;

2. "Adventure Time: the Echiridion and Marcy's Super Secret Scrapbook", composto por: "Registros semanais na quebra do mundo: Notas de um sobrevivente" - por Simon Petrikov (futuro Rei Gelado), "O Bloco de Anotações Super Secreto da Marcy" - por Marceline Abadeer e o "O Equirídio";

3. Post do usuário RedLionKing333 do Imgur;

Os registros semanais do Simon é um livro mantido por ele no período pós-guerra. Ele escreve pela primeira vez nesse diário quando encontra Marceline. A parte escrita por ela segue o mesmo esquema, mas se passa após o fim dos registros do Simon, e é visto pela perspectiva dela.

Se o desenho e o livro entram em conflito, os acontecimentos do desenho prevalecerão aqui, como quando falam sobre as motivações da Marceline pra caçar vampiros. Os quadrinhos e os jogos de videogame não serão usados como referência, já que os autores dizem que eles não fazem parte da história.

Os registros semanais do Simon é um livro mantido por ele no período pós-guerra. Ele escreve pela primeira vez nesse diário quando encontra Marceline. A parte escrita por ela segue o mesmo esquema, mas se passa após o fim dos registros do Simon, e é visto pela perspectiva dela.

Se o desenho e o livro entram em conflito, os acontecimentos do desenho prevalecerão aqui, como quando falam sobre as motivações da Marceline pra caçar vampiros. Os quadrinhos e os jogos de videogame não serão usados como referência, já que os autores dizem que eles não fazem parte da história.


ÍNDICE

1. Era pré-histórica
Distância de tempo longínqua e desconhecida. Acontecimentos importantes pra estrutura da realidade do desenho.

1.1 O Mundo Primordial
1.2 O Multiverso
1.3 Magia e a Imaginação Cósmica
1.4 O Equirídio Infinito
1.5 Os Cometas Catalisadores
1.6 Criação da Coroa do Rei Gelado
1.7 O Deus da Escuridão e o Homem Mágico
1.8 O Reinado e Falecimento de Orgalorg

2. Era da Guerra do Cogumelo
Os acontecimentos de pouco antes, durante e depois da Guerra do Cogumelo

2.1 Simon Petrikov e Betty Grof
2.2 Marceline Abadeer
2.3 O Cometa Azul e a Borboleta
2.4 Simon Petrikov descobre a Coroa do Rei Gelado
2.5 Simon Petrikov descobre o Equirídio
2.6 Betty foge
2.7 Os Registros de Vídeo do Simon
2.8 A Guerra do Cogumelo
2.9 O Lich
2.10 Simon e Marceline - Parte 1 (A Princesa Demoníaca e o Mago de Gelo)
2.11 Simon e Marceline - Parte 2 (Admirável Mundo Novo)
2.12 Simon e Marceline - Parte 3 (Três Anos Depois)
2.13 Simon e Marceline - Parte 4 (A Grande Onda Anômala)
2.14 Simon e Marceline - Parte 5 (Abandono)

3. Era do Milênio - Parte 1: A vida de Marceline
Intervalo de mil anos entre a Guerra do Cogumelo e a Era Moderna

3.1 Hunson Abadeer
3.2 A Solitária Princesa Demoníaca
3.3 Marceline, a Caçadora de Vampiros
3.4 A Tribo Humana
3.5 O Rei Vampiro
3.6 Criação do Reino Gelado
3.7 A Rainha Vampira e o Rei Gelado

4. Era do Milênio - Parte 2: A criação do Reino Doce
Nascimento da Princesa Jujuba e Consolidação do Reino

4.1 A Mãe da Princesa Jujuba
4.2 Shoko
4.3 Chicletão
4.4 Billy contra o Lich
4.5 O Reino Doce da Princesa Jujuba

5. Era do Milênio - Parte 3: Todo o Resto
A ordem exata dos eventos desse capítulo não é muito clara

5.1 Moe e os MO's
5.2 Os Gigantes de Fogo e o Reino do Fogo
5.3 Marceline e o Mago Ash
5.4 Homem Mágico é banido
5.5 Jujuba cria o Earl
5.6 Jujuba e Marceline

6. Era do Jake, o Cão
As décadas que levaram à Era Moderna

6.1 Joshua, o Caçador de Demônios
6.2 Nascimento da Princesa de Fogo
6.3 Joshua tem Jake e Margareth tem Jermaine
6.4 Finn, o Humano, nasce
6.5 Joshua e Margaret adotam Finn

7. Era do Finn, o Humano
Os episódios do desenho, no tempo presente

8. Era Futura
Um milênio pra frente da Era Moderna




1. Era pré-histórica
1.1 O Mundo Primordial

"Parem. Eu aprendi muito com vocês. Obrigado, meus professores. E agora, para vossos conhecimentos...antes de haver qualquer coisa...havia nada. E quando não havia nada, haviam monstros".
[6ª Temporada, Episódio 26]

O Lich nos dá uma lasca do que era o universo antes de nada existir, e antes até mesmo de não haver nada. Um plano do Caos, uma literalmente infinita piscina de monstros, tão vasta que espirrava pra fora das bordas do infinito. O próprio Lich, supostamente, nasceu nessa piscina antes mesmo do tempo existir, junto com o Orgalorg e possivelmente com o GOLB e o Hunson Abadeer, entre outros. O motivo da pré-Realidade ser assim e como ela se transformou no que é hoje ainda é um mistério no mundo do desenho. Se foi uma espécie de Big Bang nessa pré-realidade que resultou em Tudo, ou se foi um processo mais lento e planejado, tanto faz: o que se sabe é que os monstros continuam.


1.2 O Multiverso

"A terceira esfera (Terra) não existe", disse o Sábio.
"Por quê?", perguntou o estudante.
"Porque o Multiverso, que é onde as três esferas estão, também não existe. O Multiverso é uma Realidade Consensual compartilhada pelas mentes de todos os Seres Sencientes. Se todos morressem, o Multiverso simplesmente desapareceria, não seria mais".
"Por quê?", perguntou o estudante.
"Porque não haveria ninguém pra percebê-lo".

Trecho do Enquirídio
"No centro do Multiverso existe um lugar conhecido como a Sala do Tempo e acredita-se que lá seja a quasi-corpórea residência do Onipotente Prismo. A Sala do Tempo é uma dimensão que existe para além do tempo. Ela produz ondas de tempo que são experienciadas pelas outras dimensões. Algumas dimensões têm ligações fixas entre si que permitem uma viagem entre elas. Outras são ligadas temporariamente pela natureza pelo o que conhecemos como Buraco de Minhoca. Mas algumas são ligadas artificialmente por portais mágicos, que só podem ser abertos com itens de imenso poder. Assim que a última joia for colocada no Equirídio, ele terá poder pra criar portais que levam a qualquer lugar de qualquer dimensão. Um portal ativado cria uma dilatação temporal onde a entrada e a saída do portal entram em sincronização temporal, permitindo com que as partículas passem de forma segura a uma região não-local do espaço-tempo" - Lich, no 26º episódio da 4ª temporada.

O Multiverso é uma série de dimensões que ficam ao redor da Sala do Tempo do Prismo. Uma dessas dimensões é a Terra/Ooo, a dimensão que contém os planetas, estrelas, galáxias e o Universo como conhecemos. Outras dimensões incluem a Noitosfera, a Cidadela, o Motel da Coruja Cósmica. possivelmente o Espaço Lumpy e outras aparentemente intermináveis dimensões. Cada uma dessas dimensões pode ser vista como um "planeta" numa bolha de existência em uma espécie de "Sistema Solar" de bolhas de existência, tendo como centro a Sala do Tempo. Assim como o Sol nos dá calor e nos mantém junto a ele, a Sala do Tempo dá tempo às dimensões, e as mantém juntas a ela.

De vários modos, seja por ocorrências naturais, chances randômicas, ou manipulação física e metafísica, conexões permanentes ou temporárias - portais, buracos de minhoca, etc. - dimensões podem ser conectadas, abrindo um caminho interconector entre elas. Um exemplo disso é o ritual para abrir uma conexão entre a Terra e a Noitosfera: desenhar um rosto sorridente em uma superfície plana e cobrir a face com "leite de inseto". Outro exemplo, mais proeminente, é o sacrifício do Equirídio pra que ele sirva de catalisador de um mega-portal que pode te levar pra qualquer dimensão.

O Equirídio, e depois Simon Petrikov em suas anotações, entram em detalhes sobre certas noções pseudo-científicas de cada dimensão, como as "vibrações" e a "elasticidade". Cada dimensão e suas partículas e habitantes compartilham uma vibração única. Essas vibrações parecem explicar as propriedades únicas de cada dimensão, como suas leis e propriedades físicas, assim como explicam por que as dimensões são separadas, ou seja, porque as coisas não são uma grande e única dimensão, um Universo, ao invés de serem vários universos em "bolhas" ao redor de um centro. Manipular as vibrações de duas dimensões é a chave pra criar portais entre elas. Existem partículas inter-dimensionais, que só existem nesse vácuo entre dimensões que também contribuem pra separação desses mundos e, ao alterar as vibrações de duas dimensões de forma que fiquem sincronizadas faz com que um "caminho" surja, passando por elas e conectando os dois lugares.

Já a elasticidade mede o quão "firmes" são as leis que regem certo universo. É a medida do quão ampla é o alcance positivo e negativo da vibração das partículas de uma dimensão. Quanto menos elástica uma dimensão, menor é a vibração, e mais firmes são as leis governantes. Quanto mais elástica, mais fácil de ser penetrada, já que o alcance cobre um território maior no gradiente das frequências de vibração. Entender isso será importante quando a Guerra do Cogumelo for explicada aqui, então leia quantas vezes precisar.

Como o Multiverso se tornou o que é ainda é um mistério, mas é o que veio depois da piscina infinita de monstros do plano Caótico pré-Realidade.

"De onde o Multiverso veio? A lógica dita que perguntar essa pergunta só pode resultar em uma regressão infinita - Quem/o que criou o Multiverso? E o que criou a Coisa que criou a Coisa que criou o Multiverso? Et cetera - isso sugere que o motor mental do Pensamento Lógico não foi feito pra determinar A Resposta" - O Equirídio

É importante especular sobre a ligação entre a piscina de monstros primordial e o Multiverso por conta de um agente de extinção da existência que surgiu no primeiro e continuou no segundo: o Lich.

Das palavras do sábio anônimo descobrimos que o Multiverso é uma realidade antrópica, que depende de um observador pra poder existir. Isso mostra que o objetivo do Lich pode ser fazer com que a Realidade volte ao seu estado original, e os observadores são um obstáculo.



1.3 Magia e a Imaginação Cósmica

"Se a Realidade é mental por natureza, análoga à Mente Cósmica, e a Magia é uma função da Imaginação, então as Forças da Natureza do Multiverso são consanguíneas aos Cursos da Imaginação Cósmica. Além disso, a origem da Magia está no Núcleo da Criação, e magos podem criar ou destruir como desejarem, usando o Poder da Imaginação Cósmica" - O Enquirídio

Por conta do Multiverso ser uma "realidade consensual", é então a Consciência - e não a física ou a matemática - a Força Maior que rege ele. Isso permite Seres Conscientes de manipularem intencionalmente a Realidade. Mas então por que todo mundo do Multiverso não está manipulando tudo ao redor como loucos? Provavelmente porque entender e entrar em contato com a Imaginação Cósmica seja bem difícil, e mesmo quando alguém consegue isso, os resultados nem sempre são os esperados. Um exemplo disso é quando Finn implora pro Universo ajudá-lo e Martin acaba aparecendo (Episódio 43, 6ª Temporada). Isso não ajudou em nada ele, mas só pra conseguir uma manipulação da realidade (não exatamente) intencional e de forma emocional exigiu muita concentração por parte dele.

A Magia é um jeito de Criar ou Destruir, não transformar, e que está diretamente em toque com a Imaginação Cósmica.

"A imaginação é a manifestação do visível no invisível. É o motor do inconsciente, e é lá onde todos os desejos, todos os sonhos, planos e conquistas nascem. A Magia é a habilidade de controlar esse motor de forma específica, liberando poderes escondidos. De qualquer modo, esses chamados "poderes escondidos" não precisam ser mágicos. É sobre coisas *parecerem* ser mágicas. Já que a imaginação do Mago é atenuada pra conseguir um efeito qualquer, ele consegue saciar mentes grosseiras usando espelhos e fumaças, mas com palavras que jogam a pessoa no Mistério. Parecer mágico é mais importante do que ser mágico" - O Enquirídio


1.4 - O Enquirídio Infinito

"Eu sou único porque sou o único objeto imbuído com todas as Consciências de todos os magos desde a formação do Fogo, Gelo, Gosma e Doce"

"Eu, o Enquirídio, super-saturado com magias contraditórias, mudo a cada leitura. Essas palavras desaparecerão pra sempre após lê-las para dar lugar a novas palavras da próxima vez em que ler. O que você lê agora é uma síntese mágica entre pensamentos aleatórios do seu cérebro combinados com a mágica que está em mim, um Livro encantado por 10 mil magos no período de um milhão de anos. Por conta disso, de eu nunca ser o mesmo, sou um livro com infinitas páginas e infinitas palavras. Já que sou diferente em todas as vezes que sou lido, então sou realmente impossível de ser lido, já que nenhum Livro definitivo existe, só a sempre metamorfósica e efêmera experiência de me ler.

- O Enquirídio.

O Enquirídio é...alguma coisa. Tentar lê-lo é outra. Não é sabido o momento quando foi escrito, ou se ele foi escrito. Ele parece literalmente transcender o espaço e o tempo. Ele sabe sobre todos os eventos que ocorreram por todo o tempo e a existência, e tem algum grau de onipotência e onisciência. Olhando por cima, é um livro dividido em dois: uma parte pra heróis, outra parte pra magos. Fala constantemente e de forma enigmática sobre um Destino Final que os heróis e magos terão que encarar juntos, e sobre como o Multiverso e tempo mudou após a Guerra do Cogumelo. Quando mais você o lê, mais consciente o livro fica, e começa a falar de forma mais direta e íntima com o leitor, não mais sobre ser Herói ou Mago, mas sobre uma espécie de sonho. Suas páginas finais - ou pelo menos o que o leitor percebe como sendo elas - é uma narrativa frenética sobre como o final desse sonho se dá, e o consequente renascimento da Realidade que acontece nesse fim.

O que exatamente é o Enquirídio e quando esse Destino Final virá?


1.5 Os Cometas Catalisadores

"A cada mil anos o Cometa Catalisador misteriosamente se reincarna e colide com a Terra, trazendo com ele um agente de mudança" [6ª Temporada, Episódio 25]

Os Cometas Catalisadores são uma série de cometas míticos que pertencem a um tipo de essência universal de Tudo, um tipo de Nirvana Senciente. Não existem apenas personificações da Mente Cósmica e da Imaginação Cósmica: existe uma do próprio Universo. Não seria errado descrever esses cometas como os objetos mais importantes de toda a história do Hora de Aventura, já que eles formam ou causam a espinha dorsal de todos os acontecimentos.

Um cometa de cor única, e às vezes formato e textura únicos, vem à Terra a cada mil anos. Exatamente mil anos, sem exceções ou atrasos. Consequentemente, a História é toda definida em períodos de mil anos, e todos esses períodos têm o seu Cometa próprio. Cada Cometa traz um agente de mudança, ou seja, a personificação de um entidade que representa tal cometa. Não fica claro o papel que todas as encarnações tiveram na História, ou o quão profundas foram suas influências.

Até agora quatro cometas aparecem nessa história (mas vários outros já vieram para Terra):

1) O Cometa Verde;
2) O Cometa Amarelo;
3) O Cometa Azul (como a roupa de certo personagem);
4) O Cometa roxo.


1.6 - Criação do Reino do Gelo

"Você está ouvindo, Chatsberry? Quando esse cometa bater, todo mundo morre. Não apenas todo mundo, mas nós. NÓS!" [6ª Temporada, Episódio 24]

"Nos tempos antigos, haviam quatro Seres Primordiais - equivalentes a magos, mas conhecidos como Elementais. Cada um governava como Rei Elemental nos quatro reinos, nomeados pelos elementos: Fogo, Gelo, Gosma e Doce. Como os magos que conhecemos e amamos, esses quatro Elementais criavam e destruíam empunhando suas imaginações pra cima da Matrix da Matéria e Energia" - O Enquirídio

A Terra aparece em um tipo de Período Cretáceo, e o céu está totalmente verde por conta de um ameaçador e novo, aparentemente com chifres, cometa que se aproxima. Nesse momento o mundo é dividido em quatro reinos onde os Quatro Elementais governam.

Urgence Evergreen, o Elemental do Gelo, reúne os outros elementais - Chatsberry, do Doce; Balthus, do Fogo; e Slimy D. do Doce - em sua torre gelada pra discutir sobre o que fazer com o cometa. O encontro é espiado pelo jovem assistente do Urgence, o Gunter. Os outros Elementais não parecem preocupados com o cometa, já que outros cometas similares já passaram pela Terra e nada grave aconteceu. Evergreen diz que o cometa não é igual aos outros. "Não vê como ele se contorce? Ele pede pela nossa extinção!". Chatsberry diz que é inútil pensar em um jeito de parar o cometa, já que o poder deles não permite, e surge então a ideia do Rei do Gelo: "Uma coroa mágica cujos circuitos fantasmagóricos se grudarão ao primeiro que usá-la, garantindo a ele o seu desejo mais profundo". Ele revela que já construiu tal coroa, mas que precisa dos "Olhos de Rubi" de um monstro lendário que fica dentro de um vulcão como motor da coroa.

Os outros Elementais não gostam do plano, citando os perigos gigantescos dessa "mágica baseada no desejo". Eles dizem que, mesmo se a vida for extinta, os elementos ainda existirão, e a vida ainda poderá voltar a existir. De outro lado, o desejo garantido pela coroa poderia danificar eternamente as próprias estruturas da existência.

Urgence Evergreen diz que vai continuar com o plano mesmo assim. Os Elementais tentam pará-lo, mas ele os congela e parte com Gunter para o vulcão, em busca dos olhos de rubi. Nessa jornada fica claro como o Gunter segue fielmente Urgence, e quão grande é sua vontade de entrar no mundo da "Imaginação Cósmica". Só que o Rei do Gelo abusa e negligencia Gunter, e diz toda hora que ele é incompetente demais pra aprender mágica.

Um exemplo é quando eles enfrentam o tal monstro lendário. Urgence está para levar o golpe de misericórdia do monstro quando, para salvá-lo, Gunter tenta usar uma das garrafas mágicas do Rei do Gelo. Ele falha, mas serve de distração que dá tempo pro mago se reerguer e derrotar o monstro. Mas ao invés de ser grato, Urgence dá uma bronca nele por não ter seguido suas instruções que diziam pra não interferir na luta.

De volta à torre do gelo, ele coloca os Olhos de Rubi na coroa e se prepara pra desejar o fim do Cometa, mas o monstro, ainda vivo, invade o lugar e começa a destruir tudo. Ele acerta múltiplas colunas e a torre começa a ruir enquanto o cometa está prestes a chegar na Terra. Urgence está preso embaixo de uma pedra, e a coroa caiu de suas mãos. Gunter, em meio ao caos, consegue pegá-la. Sem conseguir escapar e em pânico, o Rei diz a Gunter pra colocar a coroa e desejar que o cometa vá embora. Só que ele errou em não ouvir as recomendações dos outros Elementais, como veria: a magia acabou realizando o desejo mais profundo de Gunter. Cabelos brancos cresceram instantaneamente e, de forma insana, começou a soltar magias de gelo e gritar com ele mesmo em terceira pessoa. Ele estava se tornando, literalmente, o seu mestre.

Com isso, a coroa fez o seu primeiro desejo, e ele ficaria pra sempre nela, se realizando em todos os que a colocassem. Todos os que colocarem a coroa ganharão os poderes de Urgence Evergreen, e possuído com a loucura do Gunter. A Coroa de Gelo foi criada. O cometa atinge a Terra, e o destino, agora desconhecido, não pode ser bom.

O Enquirídio fala sobre o episódio com Urgence e Gunter, e no final da história fala sobre uma nuvem de poeira que cobriu a Terra por séculos na "Era da Extinção".


1.7 O Deus da Escuridão e o Homem Mágico

"Você se foi, apagado, só existindo aqui. E ali. Por centenas de anos eu segurei a tristeza até minha mágica e ciência fossem o suficiente pra criar você a partir dos meus pesadelos" [6ª Temporada, Episódio 38]

Em algum momento do passado de Marte, um terrível Deus da Existência, mais forte do que Orgalorg ou o Lich atacou a sociedade utópica do Grob Gob Glob Grod, uma entidade divina. Esse é o GOLB. Os marcianos conseguiram repelir os ataques, mas com um custo muito grande. O Mágico, irmão do G4 (abreviação desse nome com 4 G's), perdeu sua esposa Marbles pra esse Deus. Mas ela não foi simplesmente raptada ou morta. O Mágico diz que, nos séculos que sucederam o desaparecimento, ele "procurou em todo lugar...toda dimensão...todo mundo morto" pela mulher. Em um flashback, ele tenta desejar a mulher de volta na Sala do Tempo do Prismo. Mas mesmo lá, e deixando até mesmo Prismo surpreso, o desejo de algum modo não funcionou. Parece que a Marbles simplesmente deixou de existir. É como se ela nunca tivesse existido, e permanece apenas no coração e na mente do Mágico.

O G4 então discute com seu irmão em luto a possibilidade real do GOLB voltar à Marte, e a necessidade urgente de um sistema de segurança planetário capaz de defender a terra deles. O Mágico concorda e por séculos fica meditando até desenvolver o sistema de segurança perfeito, chamado M.A.R.G.L.E.S (Magical Automated Resistance Generating Laser Energy Suplier). Obviamente uma homenagem à não mais existente mulher. O sistema, quando desativado, tem aparência idêntica a dela, e até fala como ela. G4 acha que a saúde mental de seu irmão está se deteriorando, mas ele mente que está tudo bem. Sim, ela está se deteriorando.

Quando ele está se preparando pra ativar o sistema no topo do Monte Olimpo, hesita. Ele não quer perder a sua esposa de novo. Ele discute essa situação com a M.A.R.G.L.E.S, e revela que ela foi criada "a partir de seus pesadelos". Uma catástrofe aparece na ativação do sistema, e uma versão medonha da Marbles aparece. Odiando o que criou, o Mágico tenta desativar o sistema, que o repele. Ele consegue destruir o sistema após lutar, ficando ferido e deixando Marte vulnerável a um novo ataque do GOLB.

O corpo do Mágico se recuperou do incidente, mas a sua mente nunca. Esse acontecimento só serviu de combustível pra sua condição de decrépito, e ele continuará sua descida à loucura, só que agora em velocidade maior.



1.8 O Reinado e Falecimento de Orgalorg

"Orgalorg era uma antiga entidade cósmica que governava o sistema solar com seus caprichos cruéis e mortais. O Quebrador de Mundos. Ele sempre estava procurando por mais poder, e planejava absorver um dos Cometas Catalisadores pra pegar a essência dele. Ele acabou ofendendo o Rei de Marte, fazendo com que ele decretasse a sua deposição. E, sim, ele foi deposto pela espada flamejante de Grob Gob Glob Grod. Orgalorg foi banido pra um planeta inóspito, onde esqueceria tudo. Sim, até a sua identidade e de onde veio...e os profetas disseram que a gravidade do lugar deixaram ele com menos poder ainda. Ooooooo. Mas agora ele voltou, e de quem é a culpa? Beijinhos"

(Orgalorg é usado aqui como uma "história de fantasma" por esses pais que vivem em Marte, pra assustar a filha adolescente que está começando no mundo dos relacionamentos amorosos) [6ª Temporada, Episódio 40]

Orgalorg era um grande monstro espacial que aterrorizava o sistema de Ooo nos tempos antigos, mas tentou morder mais do que a boca pode mastigar. Maníaco por poder, tentou absorver a essência de um Cometa Catalisador, que foi a última gota pro Rei de Marte. Ele invocou a besta deífica Grob Gob Glob Grod, e pediu que ela impedisse que os planos megalomaníacos do Orgalorg fossem concretizados.

A entidade venceu o monstro, e em seu último golpe, mandou o Orgalorg direto pra Terra. Entrando na atmosfera de nosso planeta, o Orgalorg acabou perdendo seu poder e adquirindo a forma de um pinguim, que viria a ser chamado de Gunter. Por um milênio, Gunter vagou pela Terra sem saber quem é, até chegar no Reino Gelado dos tempos modernos.


2.1 - Simon Petrikov e Betty Grof

A Era dos Antigos já passou há muito tempo, e a Era dos Humanos começou. O Sistema Solar está livre do monstro malévolo Orgalorg, o outro monstro maligno GOLB não deu sinais de retorno, e o que quer que tenha sido a criatura que veio com o Cometa Verde, aquele que o Rei do Gelo tentou destruir, aparentemente não é nenhuma ameaça pra Terra.

A Mágica agora é uma arte muito antiga e quase esquecida, e a biosfera é muito menos "estranha". A Terra é como você conhece agora, com os animais, continentes, países e coisas que você está habituado. Tudo como é no mundo real.

Em algum lugar desse mundo existe um casal feliz. São acadêmicos cujo amor pelas coisas ancestrais e arcaicas só é vencido pelo amor entre os dois. Depois de anos de romance, as duas almas gêmeas se tornaram noivas, e os futuros marido e mulher Simon Petrikov e Betty Grof parecem que viverão felizes para sempre. Mas por mais forte que o amor seja, a ideia de casamento não diminuiu em nada o ímpeto dos dois de estudar e pesquisar. Eles passam praticamente todo o tempo em que estão juntos estudando e trabalhando nos estudos. Escrevem livros em co-autoria, como o "Rituais Místicos e suas aplicações no Espaço-Tempo", uma enciclopédia antropológica detalhando rituais que eram realizados por vários povos e tribos, incluindo aqueles que diziam abrir portais.

Isso pra não falar das descobertas que fazem sozinhos. No futuro, Betty vai desenvolver uma teoria onde o Mágico e o Sobrenatural são equivalentes à Mecânica Quântica, uma teoria que chega bem perto da chave pra manipular a Imaginação Cósmica. Já Simon faz uma descoberta que irá entrelaçá-lo na luta mais antiga da Terra.


2.2 - Marceline Abadeer

"E então ele disse 'ok'. Essa é a história de como eu conheci o seu pai"
"Posso brincar agora?"
"Não, Marceline. É hora de dormir".
"Mas eu não quero dormir! Os meus sonhos são estranhos".
"Todos os sonhos são estranhos".
"Mas, mãe! Meus sonhos são estraaaaaaanhos".
"Querida, algo estranho pode ser algo familiar visto de um ângulo diferente. E isso não é assustador, né?"
[7ª Temporada, Episódio 7]

Durante o romance de Simon e Betty, existia outro amor surgindo, muito mais incomum. Uma humana se relacionou com Hunson Abadeer, Deus dos Demônios e Rei da Noitosfera. Não se sabe como essa relação foi possível e as coisas que levaram a tudo isso acontecer, o quanto durou ou em qual dimensão foi. Mesmo com tantas dúvidas, o maior mistério disso tudo é o motivo do Hunson, que normalmente suga a alma de qualquer mortal que passe pela sua frente, não só poupou a alma dessa mulher em particular como entrou em um relacionamento profundo com ela.

O que podemos saber com certeza é que dessa relação nasceu uma menininha meio-humana, meio-demônio, destinada a suportar grande sofrimento e ser guardiã da humanidade em seu período mais sombrio, além de se tornar Rainha e única sobrevivente de sua espécie. Quando Simon Petrikov tinha 40 anos, ela veio ao mundo em carne e sombra.

Atualmente não se sabe muito sobre o início da vida dela. Em seu livro de anotações, ela diz que se lembra vagamente dos momentos em que estava sozinha com sua mãe, não conseguindo recriar na sua mente o rosto dela. No pouco que a mini-série "Stakes" mostra sobre o assunto, parece que a relação das duas se deu em um ambiente isolado e recluso. Quando conversam, aparentemente estão na caçamba de uma camionete e provavelmente em um ambiente desértico. Hunson, na época, estava na Noitosfera bancando o Rei dos Demônios, e não quis trazer Marceline junto, já que o lugar "não é pra crianças". Não se sabe o que aconteceu com a mãe da Marceline ou como ela ficou sozinha depois da Guerra do Cogumelo.


2.3 - O Cometa Azul e a Borboleta

Cometa: "Finn, você se lembra?"
Finn: "Sim...eu acho...foi há muito tempo. Eu era mais ou menos você, bati na Terra, e me tornei uma borboleta ou algo assim. E eu achei que era uma espécie de coisa absurda aleatória, uma piada que foi contada por séculos".
Cometa: "Quem está criando a piada? Você? E se sim, você é o meu criador?"
Finn: "Talvez? Não sei. Provavelmente não"
Cometa: "Provavelmente não, mas quem sabe? Eu sempre estive por aí e experimentei muita coisa possível e impossível. Eu incorporei tudo o que é bom ou mau, e agora estamos aqui. Isso é sem precedentes. E eu te dou uma escolha. Venha comigo para o fim e o início, ou sofra aqui por um tempo como uma bela folha de Outono. Essa é a sua crise. Você pode ficar na beira do Amor, Ódio, Amizade, Isolamento, Inveja, Segredos, Violência, Videogames, Sorvete com Waffles, Tristeza, Loucura, Poder, Honra, Lealdade, Atrevimento, Mães, Pais, Canalhas..."
Finn: "Por quando tempo você vai listar coisas?"
Cometa: "É uma longa lista"
Finn: "Você está dizendo pra eu abandonar todas essas coisas, mas você não está fazendo parecer ruim"
Cometa: "Não é ruim. Eu estou te dando a escolha de um novo jeito de existir".
Finn: "Sinto que já coloquei muito esforço nessa realidade de carne. Quero ver o que vai acontecer".
Cometa: "Justo".
[6ª Temporada, Episódio 43]

A conversa do Finn com um Cometa Catalisador comprova que ele é o Avatar de um. Assumindo que "séculos" seja "menos de um milênio", o Finn é o Avatar do Cometa Catalisador que veio durante a Guerra do Cogumelo.

Usando pistas dos episódios "Simon e Marty" e "O Cometa", podemos determinar o ano exato em que esse cometa veio. Quando Marceline está contando a história dela e do Marty juntos no apocalipse, Finn tem 14 anos. Os eventos de "Simon e Marcy" acontecem exatamente há 996 anos, no mesmo dia em que Marceline está contando essa história, que acontece quando ela tinha 7 anos e Simon, 47 (como é revelado por ele). No episódio "O Cometa", Finn tem 16 anos. Ou seja, agora os eventos do episódio de Simon e Marty acontecem há 998 anos. Já sabemos que os Cometas aparecem exatamente a cada 1.000 anos. Ou seja, o Cometa veio dois anos antes do episódio de Simon e Marty. Marceline tinha 5 anos e Simon, 45.

As vidas passadas do Finn e suas reencarnações foi um tema recorrente da série. Ele primeiro reconhece o Cometa Azul e a Borboleta, depois, uma coisa gosmenta e a ladra Shoko como algumas de suas vidas anteriores (5ª Temporada, Episódio 34). A Borboleta, primeira reencarnação do Cometa Azul, já apareceu de forma mais sutil em outros episódios, como quando Finn está sendo feito de refém pelo Rei Gelado, ele chama pela sua "besta astral" e muitas borboletas aparecem pra ajudar.

Não é claro o efeito que o Cometa Azul ou a Borboleta tiveram no mundo quando ele caiu. Tinha muita coisa acontecendo, e fica bem difícil determinar os efeitos concretos desse Efeito Borboleta literal. Durante o milênio que sucede a queda do Cometa, ele irá morrer e reencarnar em 12 formas diferentes, testemunhando a Guerra do Cogumelo e o nascimento da Terra de Ooo como conhecemos no desenho. Até que finalmente, numa noite chuvosa no mar, os dois últimos humanos da Terra dariam as boas vindas ao seu filho no mundo. O maior herói de Ooo nasceu, mas ninguém por lá sabia de sua existência.


2.4 - Simon Petrikov acha a Coroa de Gelo

"Depois de comprar essa coroa de um trabalhador de uma doca no norte da Escandinávia, eu a trouxe pra casa e mostrei-a feliz pra minha noiva Betty. Eu coloquei-a na minha cabeça, com o intuito de brincar, e foi aí que começou".
[3ª Temporada, Episódio 20]

Como antiquário, Simon passava mais tempo andando por aí do que nos livros, buscando itens por todos os lugares. Em uma excursão à Escandinávia, ele cruzou com uma artefato que chamou atenção: uma coroa dourada com três rubis. Talvez porque intuiu um valor naquilo, ou talvez porque a coroa era muito louca, ele a comprou. Se o trabalhador era um homem comum em posse de um dos dois itens mais fortes de toda a história da existência (sem ser vítima de sua maldição) ou era um agente tentando fazer com que a coroa iniciasse algum tipo de giro em uma engrenagem maior, não se sabe.

Quando voltou pra casa, mostrou a coroa pra sua noiva, Betty, e começaram a brincar com o artefato. Simon coloca a coroa (o que se mostrará um grande erro). Uma névoa malévola cobre a sua mente e seus pensamentos se tornam lodo. Seus dedos começam a congelar, enquanto seus cabelos ficam brancos e crescem. Seus lábios ficam azuis, e deles, um único sussurro sai: "Gunter".

Simon consegue sair da névoa mental, e em pânico, joga a coroa para longe. Ofegante e tremendo de um frio abaixo de zero, a primeira coisa que vê é Betty, encolhida e aterrorizada. A transformação começou.



2.5 - Simon Petrikov descobre o Enquirídio

Alguns meses depois Simon se recupera da sua pequena incursão a uma insanidade gelada. Em mais uma viagem ele descobre outro artefato arcaico e com propriedades estranhas: o livro Enquirídio (lembra, né?). Na época, pouquíssimas pessoas reconheceram a importância dessa redescoberta, e aqueles que reconheceram, nem foi tanto assim, achando no máximo "interessante".

Tudo o que o desenho nos mostra sobre a história entre Simon e o Enquirídio é essa parte de jornal. O livro só volta, na linha de tempo da história, quando Finn e Jake o acham na Era Moderna. O problema é que sabemos menos ainda do que poderíamos saber porque Simon rabiscou o jornal inteiro. Só sabemos duas coisas:

1. Ele achou o Enquirídio em umas cordilheiras do Afeganistão chamadas Hindu Kush. Ele deixa uma nota no livro onde diz isso.

2. O livro tinha na capa as jóias que pertenceriam às princesas Ooovianas no futuro. Quando Finn e Jake o acham, ele não tem mais.

Segundo as notas que Simon deixa no livro, fica aparente que o Rei do Gelo atormenta os seus pensamentos. Algumas notas falam sobre "visões de vulcões! Monstros de lava! Isso deve significar algo, certo?". Obviamente ele colocou a Coroa mais algumas vezes, numa espécie de vício como o que Frodo enfrenta com o Anel, em "Senhor dos Anéis". Sua deterioração mental preocupa Betty, e ela implora pra que ele se livre do artefato. Ele continua usando a Coroa, ela começa a se irritar com suas crises, e um abismo começa a se abrir entre os dois.

"Betty, essa Coroa realmente tá fazendo algo com minha cabeça! Desculpa ter dito todas aquelas coisas estranhas! Sei que está braba. Sei que deveria parar de usá-la, mas não posso agora! Preciso fazer algumas coisas primeiro"

[Anotações em post-its no Enquirídio, feitas pelo Simon]

É nesse ponto em que a Coroa começa a pedir pelo restabelecimento do Reino de Gelo de Urgence Evergreen, mesmo que Simon não saiba ainda.

"Princesa, quando eu voltar, que tal fazermos uma viagem? Podemos esquecer do trabalho, de livros e de coroas por um tempo. Vamos tirar férias, só eu e você, em algum lugar legal. Talvez ao norte".

Em meio a sua espiral de insanidade, Simon consegue terminar de inspecionar o Enquirídio, e se prepara pra mandá-lo pro Instituto Escandinavo de Tecnologia. Mas algo estava mudando no cenário político internacional. A "Crise Política", como Simon chamou.

"Se essa crise internacional ficar pior, talvez cancelem os voos pra Escandinávia"

Não se sabe se o livro chegou no museu.


2.6 - Betty foge para o futuro

"As visões, eu lutei contra elas, gritei com elas, até eu perceber que não eram reais. Era a Coroa! Eu tirei ela rápido, e vi minha noiva na minha frente, me olhando com muito desprezo. O que eu disse? O que eu fiz quando coloquei a Coroa? Tudo o que eu sei é que nunca mais vi a Betty" [3ª Temporada, Episódio 20]

A Coroa chama Simon novamente, e ele atende. Não importa o quanto lute, ele não consegue resistir à vontade de vestir a Coroa. Em um instante ele é tomado novamente pelos grandiosos poderes gelados de Urgence Evergreen, bem como a psique insana do assistente Gunter. Simon fica completamente histérico e começa a exibir poderes desordenadamente. A transformação é bem pior que as outras, e o Rei de Gelo está totalmente no controle. Betty, aterrorizada, foge por sua própria segurança, e Simon, descontrolado, a persegue pelas ruas gritando, "Onde está Betty???? Onde está a minha princesa????".

Mil anos no futuro, quando o desenho se passa, uma entidade negadora de mágica conhecida como Bella Noche faz com que a coroa fique temporariamente impotente. O evento transformou o Rei Gelado no Simon, completamente são. Infelizmente, Simon é um humano, e foi mantido vivo por mil anos por conta da Coroa. Como efeito, ele começa a envelhecer de forma extremamente rápida, e logo morrerá. Mas há algo que ele precisa fazer antes de ir. Simon não sabe o que aconteceu com Betty, e assume que a perdeu pra sempre. Com a ajuda de sua antiga amiga Marceline, ele abre um portal no tempo pra dar um último adeus a ela.

Só que a Betty da Era da Guerra do Cogumelo tem planos enquanto foge do Simon que está louco, e quando o portal aparece ela entra, de volta aos braços de seu amado. Nesse futuro ela derrota a entidade Bella Noche, e restabelece o poder da Coroa. Ela força Simon a vestir a Coroa novamente, mas só como uma medida temporária até que ela possa reverter o efeito do envelhecimento em Simon. Ela parte por Ooo buscando a natureza da Mágica.

Ela desenvolve uma teoria que pode ajudá-la a encontrar a chave pra toda a magia. A teoria da Tristeza Louca Mágica propõe entender a mágica, os mágicos, e os mecanismos da magia dizendo que isso é uma manifestação de um tipo de mistura entre loucura e tristeza que está nas profundezas de todos nós. Pra comprovar essa teoria, ela planeja ganhar os poderes do Mágico e se tornar ela mesma uma Maga.

Infelizmente, durante o breve momento onde vemos ela como a Mágica, aparentemente ela ficou triste e louca, e perdeu completamente o foco em salvar Simon. De volta à Era da Guerra do Cogumelo, Simon consegue por um momento tirar a Coroa e recuperar a sanidade, mas agora Betty não está por lá.


2.7 Os Registros de Vídeo do Simon

"Olá. Meu nome é Simon Petrikov. Estou gravando esse vídeo pra que as pessoas saibam da minha história. Estou estudando pra me tornar um antiquário de artefatos arcaicos. Eu nunca acreditei em coisas sobrenaturais, tinha apenas uma fascinação por minhas superstições. Mas tudo mudou quando entrei em contato com esse item".

"Desde então, sempre tenho as visões, estando ou não com a Coroa. Ela me conta segredos. Segredos do gelo e da neve. Conta que o poder da Coroa vai me salvar com seu frio. Não sei ainda o que isso significa. Como você pode ver, minha pele está ficando azul, minha temperatura corporal está descendo em uma taxa sobrenatural, e está por volta de 30ºC. Não sei quando isso vai terminar. Estou assustado".
[3ª Temporada, Episódio 20]

Sem Betty, a ida de Simon à insanidade é inevitável. Em gravações de vídeo, ele documenta a deterioração. O cabelo branco e a barba estão se tornando permanentes, e mesmo que ele corte e se barbeie, tudo crescerá em velocidade assustadora. Sua pele começa a ficar azul, e seu apego à Coroa cresce mais e mais. De vez em quando ele tem acessos de raiva por ter perdido Betty, e se pergunta onde ela estará. Ele vê pela sua janela que a Coroa está transformando os arredores de sua casa em uma nevasca completa. Mas um perigo mais iminente se aproxima além dos horizontes de sua janela. A Crise Internacional se intensifica, e uma guerra está para começar.


2.8 A Guerra do Cogumelo

"Hoje começarei meu diário científico sobre o resultado das explosões massivas que ocorreram no Globo. Os horrores mutagênicos. As tempestades de raios brilhantes. As ondas de toxicidade na atmosfera. As partículas brilhantes que voam com o vento por entre as cidades".
[Diário de Simon, Dia 1]

"Alguns magos acreditam que as bombas da guerra liberaram choques tão grandes de energia que alteraram as Partículas Fundamentais do planeta, dando a ele uma nova Elasticidade".

"Com essa nova Elasticidade da Realidade veio a interpenetração de lugares outrora dissonantes em vibração, conhecidos como "Mundos Paralelos" ou "Dimensões Alternativas".

"É possível então que propriedades até agora da Realidade tenham se manifestado, criando novas raças, espécies, e criaturas híbridas interespecíficas. A vida se tornou mais flexível e elástica".

"Leis científicas estranhas emergiram enquanto a nova flexibilidade da matéria e energia interagiram com a Energia Vital - também conhecida como Consciência".
[O Enquirídio]

A Crise Internacional chegou em um estopim e o mundo se tornou uma guerra nuclear apocalíptica. Exércitos ruíram, e Marinhas e Aeronáuticas afundaram e caíram antes das explosões chegarem. Com força incrível, sem precedentes e abundância inimaginável, cada centímetro do planeta tremeu, fazendo com que os alicerces da realidade foram rasgados. A energia intensa alterou o funcionamento das "Partículas Fundamentais", aumentando exponencialmente suas Vibrações e Elasticidades, que dizem a localização da Terra no Espaço-Tempo do Multiverso. Isso fez com que a realidade da Terra e de sua vizinhança se tornasse muito mais flexível, e o mundo ficou parecendo...um desenho animado.

Durante os próximos mil anos o planeta se transformará de maneiras incríveis. Continentes se chocarão e afundarão. A atmosfera ficará, durante um tempo, mais colorida que dez mil arco-íris, e pela primeira vez depois de muito tempo os habitantes desse planeta entrariam em contato com a Imaginação Cósmica, e a Mágica acordaria de forma vislumbrante do seu longo sono. Das cinzas da Terra nasceria um incrível anfitrião de reinos, e numa ilha em particular surgiria o mais fantástico de todos. A Terra de Ooo.

Enquanto isso, no Vale da Morte, a mais bela flor irá nascer, mas seu futuro é incerto. A Vida e a Morte sempre aparecem juntas, e a vida que apareceu com a Guerra do Cogumelo também veio com a Morte. É incontável o número de espécies, povos e conhecimento que desapareceram com a Guerra. Mas a Morte não acabou com a última bomba, já que última bomba não visava a vitória de uma simples luta. Ela queria extinguir a Vida. E para atingir esse objetivo, a Morte lutará até o fim dos tempos. Uma abominável entidade arcaica, que chegou em certo Cometa Verde, criou as condições para a guerra. Com sussurros extorquiu a mente dos inocentes, levando-os à fabricação de uma arma mais forte do que qualquer uma já criada pelo humano, encantada e amaldiçoada pela própria língua nefasta da Criatura. Com essa Bomba Cogumelo Definitiva, o avatar do Cometa Verde renasce pela última vez. O nome dessa entidade? Lich.


2.9 O Lich

"Você está sozinha, criança. Só existe escuridão em você, e só há morte para o seu povo. Isso aqui é só o início. Comandarei um grande e terrível exército, e navegaremos pra bilhões de mundos. Navegaremos até a última luz ser apagada. Você é forte, criança. Só que estou além da força. Eu sou o fim. E eu vim por você, Finn"
[Episódio 2, 6ª Temporada]

Alguns milhares de anos antes da Guerra do Cogumelo, nos tempos de Urgence Evergreen, antigo Rei do Gelo, o Cometa Verde com chifres chegou à Terra, e do Cometa veio uma criatura, assim como de todo Cometa. Não sabemos o que aconteceu com essa criatura em sua primeira encarnação, ou o que ela fez durante a Era de Extinção que o Cometa trouxe. Não sabemos o que ela fez com o mundo e nem o contrário. Não sabemos quantas vezes a criatura renasceu, ou quantas vezes tentou destruir a vida na Terra. Essa criatura ainda não tinha nome, ou pelo menos não sabemos. Mas não era Lich. Como a Borboleta de Finn, essa criatura, antes da Guerra do Cogumelo, era outra coisa.

Muito provavelmente essa criatura, em sua primeira forma, era muito diferente da que conhecemos agora, e é difícil que conseguisse fazer algum mal grande, como a borboleta. Isso explica o motivo da, após o Cometa ter extinguido quase toda a vida na Terra, vida não ter acabado. A Criatura ainda não tinha capacidade de seguir o seu sentido.

Essa criatura viveu e morreu diversas vezes até adquirir sua forma final que buscaria, enfim, o final de toda a vida. Não era ainda o Lich quando a bomba explodiu. Sua penúltima encarnação usou a bomba para adquirir a sua forma final.

Antes da Guerra do Cogumelo, quem sabe há séculos ou milênios, a criatura - agora humanoide - começou a estudar magia negra e mortal. O desejo do Cometa de extinguir a vida ainda ardia no fundo daquela Alma. Só que mais de um milênio de sabedoria vinda de suscetivas tentativas e erros ensinou uma lição a ela: a Vida sabia resistir. Não importa o quão forte fosse atingida. Não importa quão perto a Vida chegasse da extinção, ela sempre conseguia achar um jeito de existir. O mal supremo consiste em extinguir toda a humanidade, destruindo a Realidade Consensual e portanto o Multiverso, fazendo com que a realidade voltasse ao seu estágio primário e bruto, que é a piscina infinita de caos. Mesmo sendo um Avatar de um Cometa Catalisador, a criatura precisava de de mais poder. Se ele quisesse mesmo extinguir a vida, precisaria começar sacrificando a própria. Para isso, amalgamou-se na Bomba e lançou-se contra a Humanidade em um ritual mega-poderoso de necromancia, transformando-o no maior dos imortais.

Nessa forma ele teve acesso a técnicas supremas de magia negra. Aprendeu a contorcer fogos negros e verdes com piromancia...sussurros que poderiam sugar a mais pura das almas. Continha a constante exumação de ar mortífero e hálito que vaporizava qualquer vida que ousasse entrar em contato. O avatar da extinção há muito tempo criou seu penúltimo recipiente, mais poderoso e resiliente do que qualquer um que já tenha guardado a Alma do Cometa Verde. Nesse recipiente, a suprema forma arcaica uma vez temida por Urgence Evergreen nasceu pela última vez, e estava pronta pra extinguir a vida de uma vez por todas.


2.10 Simon e Mancy - Pt. 1

"Quem quer que ache Marceline, por favor, cuide dela. Seu pai é Hanson Abadeer. Quando ela for velha o suficiente, achará o caminho de volta. Por favor, mantenha o meu bebê a salvo. Não posso mantê-la comigo. Por favor, me ajude".
[Bilhete da Mãe de Marceline]

"Entre nós dois eu não sei quem é mais sortudo. Ela foi a primeira pessoa com quem entro em contato desde que a guerra terminou. Não podemos salvar o mundo, mas talvez poderemos salvar um ao outro".
[Diário de Simon, Dia 1]

Simon Petrikov perdeu tudo: sua profissão, seu amor, seu mundo, e a cada dia, um pouco de sua Alma. Ele recuperou seu ímpeto e agora é forte o suficiente pra controlar mais sua vontade de usar a Coroa, mas isso só faz com que ela sussurre palavras mais agressivas. Ela deseja um mestre que congele o mundo, reflexo dos desejos insanos de Gunter. Os constantes abusos de Urgence destruíram o coração do dinossauro, e agora a Coroa aplica o mesmo abuso em Simon. Já pra ele, a paz se tornou um estranho, e seus pensamentos voam em velocidade crescente como partículas em um ambiente cada vez mais quente, fazendo com que, depois de um tempo, parecessem apenas um som, uma coisa só sem sentido. Até que um som interrompeu sua loucura.

Com as mãos segurando a Coroa, Simon segue o som pelas ruas destruídas com certo cuidado, ciente de uma possível ameaça à frente. Conforme chega na fonte do som e ele fica mais claro, sua guarda vai baixando. Não há lamúria monstruosa ou um ladrão raivoso. Ele esgueira os olhos pela esquina e no meio da rua enxerga uma jovem menina aos prantos de pele colorida como a dele, e orelhas pontudas como seu nariz. Subitamente os sussurros cessam, e as lamúrias milenares e geladas se tornam calor. Por um momento, a única voz na cabeça de Simon Petrikov era a dele mesma. Gentilmente, ele coloca o que segurava no chão, corre para o som, e com um aceno que diz saber a sua dor e o que sente, limpa as lágrimas da menina. Ele olha ao redor, procurando algum modo de confortá-la, e enxerga um toldo que aponta o funcionamento de uma antiga loja de brinquedos.

Esgueirando-se pelos escombros, procura pelo brinquedo. Um pequeno gesto talvez, mas que ficará pra sempre com essa garota. Simon pega um ursinho vermelho com dedos longos e estranhos, e , julgando pela expressão, ela concorda com a escolha. Marceline acaba de ganhar o seu amado urso Hambo, e o seu eterno melhor amigo Simon Petrikov.


2.11 - Simon e Marcy - Pt.2: Admirável Mundo Novo

"Tem muito mais daquela substância rosa crescendo e se expandindo em gotas e pedaços por toda a cidade. Está em todo lugar".

"Existiam coisas se movimentando bem nas ruas por onde andamos. São como pessoas, mas flutuam e são transparentes. Alguns brancos, alguns avermelhados, outros azulados. Nossos olhos tiveram que se acostumar. Você tem que ficar vesgo da forma certa pra enxergá-los, e quanto mais você olha mais consegue ver. Estavam em todo lugar. Fantasmas. É como se a população da cidade tivesse se transformado em fantasmas transparentes. Centenas de fantasmas pedestres andando pra lá e pra cá".
[Diário do Simon, entre o Dia 40 e 50]

Simon e Marceline já estão andando juntos há dois meses, mas é difícil dizer exatamente há quanto tempo. Não só o apocalipse e a quebra da rotina mundial tornaram a percepção de tempo uma coisa mais difícil: a mente de Simon ainda deslizava.

A datação de seu diário logo começa a falhar, e ele começa a chutar a marcação dos dias com deduções mais ou menos certas baseadas em há quanto tempo ele achava que tinha encontrado a Marceline. Tentando sobreviver sozinho ele passou por muitas dificuldades, e tendo agora uma criança com ele, teria que recorrer a medidas drásticas com muito mais frequência.

Em dois meses ele teve que usar tanto os poderes da Coroa que Marceline se acostumou com todos os efeitos decorrentes desse uso. Isso sem contar que o apocalipse é apenas sobre sobreviver: sem tempo pra se divertir ou relaxar. Mas até que o aspirante a mago gelado e sua jovem companheira conseguiram manter o bom espírito. Todo momento que não era gasto sendo usado pra sobrevivência era usado para risadas. Simon transformava cada dia em uma aventura, fazendo piadas enquanto procuravam mantimentos no lixo ou se esgueiravam por entre lugares destruídos. De noite, quando já montaram acampamento, às vezes Simon se arrasta pra dentro de uma TV quebrada e atua em programas criados e vistos na imaginação. Durante o fim do mundo, é um bom substituto pras histórias de dormir.

Por um tempo eles mudaram de abrigo improvisado pra abrigo semelhante, Um lar permanente seria o ideal, mas os Ooozers por aí são implacáveis e os achariam bem rápido. Nomeados por Marceline a partir da gosma ácida e brilhante que excretavam pela pele, essas criaturas mortais e mutagênicas radiavam maldade. Eles são praticamente o único motivo do Simon ter que usar a coroa, como se vê em "Simon e Marcy". Simon sabe que se não encontrar uma maneira alternativa de lidar com o problema, ficará louco e deixará Marceline sozinha. Então ele começa a patrulhar.

Ele observa a rotina dos Ooozers, seguindo-os e anotando seus esconderijos e campos de caça preferidos. Alguma semanas e ele conseguiu traçar um grande território seguro no centro da cidade. Eles se adaptam e depois de procurarem um pouco, acham um grande hotel (relativamente) em boas condições. É limpo, confortável, fácil de defender, e longe da rota dos Ooozers. Se tudo der certo, ele não vai ter que usar a Coroa por um tempo.

Sempre acadêmico, ele usa o tempo tranquilo pra dar aulas à Marceline. "Preciso cultivar a Alma dela. Preciso ensinar a ela o básico - ler, escrever e fazer contas". Os programas de TV noturnos cessaram e deram lugar à escola, mas ela parece não se importar. Pelo contrário! Ela ama escrever e ler, e o seu processo de educação foi um dos melhores momentos de sua relação com Simon. É claro que ele percebe isso, e descreve-a em seu diário como uma criança brilhante e entusiástica.

"Marceline é a garota mais doce, engraçada, esperta e querida do mundo. Tenho muita sorte de ter encontrado-a. Preciso continuar bem por ela. Ela me deu um sentido, algo pra se viver. Eu faria qualquer coisa pra protegê-la. Tudo. Ela precisa de mim, e eu preciso dela.


2.12 Simon e Marceline - Pt. 3: três anos depois

"Marceline, somos só eu e você no fim do mundo? Isso deve ser muito confuso pra uma garotinha. E eu sei que você vai precisar de mim aqui. Mas estou me perdendo e tenho medo que me perca também. Essa magia está me deixando louco. Preciso salvá-la, mas ninguém vai me salvar. Por favor me perdoe seja lá o que eu fizer quando não mais me lembrar de você. Marceline..."
[4ª Temporada, Episódio 25]

Por três anos os dois observaram da janela da alta fortaleza o mundo passar por incríveis mudanças. As outras dimensões do Multiverso continuam a "vazar" pra Terra enquanto novas formas de vida florescem independentes das leis da Realidade conhecidas até então, processo este acelerado pela chuva radioativa mutagênica deixada pela Bomba. Criaturas vêm e voltam de suas dimensões. Em algum lugar, espero que longe, a Entidade da Morte vaga pelo mundo caçando o que restou da vida. Mas para os nossos dois então protagonistas, a principal ameaça ainda são os Ooozers. No seu primeiro registro escrito em (provavelmente) três anos, ele fala ameaçadoramente das várias "situações apertadas" pelas quais passaram.

"Tive que nos proteger de todo tipo de criaturas saqueadoras e portanto colocar a Coroa mais umas duas dúzias de vezes nos últimos três anos, e ela cobrou o seu pedágio".

Os delírios e ataques de fúria de Simon cresceram após ter usado por várias vezes a Coroa. Mesmo sem usá-la, ele entraria em longos períodos de silêncio estoico, como quem tivesse aceitado totalmente o que viesse a acontecer, sem nem saber o que seria, enquanto o artefato o seduz com seus sussurros. Só que a forte mente acadêmica de Simon às vezes conseguia usar os sussurros como insights, extraindo uma lasca do conhecimento milenar de dentro dela, permitindo com que ele vá completando um quebra-cabeça que perdura em sua mente há tempos: Hunson Abadeer.

Simon soube quase que imediatamente quanto à condição incomum da criança-demônio. Só a sua pele e orelhas já eram o suficiente pra questionar sua condição de humana, mas o que realmente o intrigava era a sua sobrevivência. Os poderes da Coroa salvaram a sua vida durante os bombardeios, mas como uma criança sozinha teria sobrevivido a tal lástima sem proteções mágicas? Como testemunhou as viagens interdimensionais, ele começou a ponderar sobre a origem de Marceline, especialmente sua ligação com Hunson Abadeer. Um dia ele teve a oportunidade de explorar uma hiótese.

Numa tarde chuvosa, enquanto olhava a cidade pela janela do hotel em um alto apartamento, ele enxerga um brilho passando pela rua. Ele desce para investigar e vê uma espécie de humanoide:

"Um ser assustadoramente vermelho, de pele vermelha e cabeça flamejante, mas com uma chama azul no centro, como a da boca de um fogão. Eu a vi a certa distância pelos escombros. Fascinado, o segui enquanto perambulava pelas ruínas e fazia uma estranha seleção de itens que eram colocados em uma sacola de papel".

Ele acaba seguindo a criatura até uma loja de conveniências, onde ela finalmente o percebe. Depois de uma apresentação constrangedora entre as partes, Simon pergunta sobre sua origem, e ela fala sobre como as explosões sugaram ela pra Terra. Por uma mão do destino, a criatura revela que vem da Noitosfera. Ouvir esse nome não leva Simon à conclusão naquela hora, mas logo sua mente irá pensar nisso, e logo ele pergunta se o Noitosferiano já ouviu o nome de Hunson Abadeer. Em reação comum a um demônio do inferno que é perguntado sobre Lúcifer, a criatura entra em pânico. Isso intriga Simon, claro.

Do saco de papel ela puxa uma caneta e um leite, desenha um rosto sorridente na parede, composto apenas de olhos e boca, em seguida jogando leite por cima do desenho. Um grande portal se abre entre as dimensões e a criatura irá pra casa. Ele tenta impedir o seu retorno, recebendo em troca um chute na cara. A criatura escapa, mas agora Simon tem tudo o que precisa pra encontrar o pai de Marceline: seu nome, sua dimensão e o método pra se chegar lá. Essa será a medida extrema pra caso perceba que a Coroa vai tomar sua mente.

"Eu sei que posso me controlar por mais um tempo, mas logo, em semanas, meses ou anos, quando eu enlouquecer, precisarei de alguém pra tomar conta dela. Por agora posso ser responsável e protegê-la. Mas quando acontecer, eu estarei pronto pra fazer o que preciso fazer. Deus me ajude".

(Nesse ponto da história, Simon tem 50 anos e Marceline, 10)


2.13 - Simon e Marceline - Pt. 4: a Onda Anômala

"Simon disse que nós temos que ir AGORA. Ele disse que a Coroa falou a ele que coisas ruins vão acontecer, que temos que ir pras montanhas. Ele disse que temos que pegar tudo e deixar a cidade AGORAGORAGORAGORA"

"A primeira onda de água me assustou muito, mas também foi emocionante. A onda bateu em tudo. Quando a água subiu, subimos cada vez mais alto, mudando de caverna a caverna, achando maiores e melhores. Parece estranho, mas aquela foi a melhor época que tivemos juntos. Por um tempo as coisas pareceram estáveis. Você ficaria surpreso com o quanto que uma caverna isolada consegue parecer um Lar".
[Diário da Marceline]

Assim que Simon conseguiu garantir um futuro pra Marceline, sua transformação em Rei Gelado estava quase completa. Ele começou a se referir a ela mais como Gunter do que como Marceline, e o ego gelado parecia agora ser sua persona dominante. Preocupada mas acostumada, Marceline escreve sobre essas mudanças no antigo diário de Simon, que agora é dela.

Em um momento particular, Simon começa a esbravejar criptograficamente contra um perigo iminente. Com gruinhidos e gritos pelo "Gunter!!!!", ele manda Marceline pra fora do hotel, e eles começam uma longa jornada pelas montanhas. A pobre e pequena Marceline sofre pra conseguir acompanhá-lo, e durante a jornada estressante e a insanidade agora incessante de Simon, é constante lágrimas estarem em seus olhos. Conforme escalam a montanha, ela consegue sentir o chão começando a tremer, e uma brisa se formando, que logo se tornaria feroz. A temperatura cai drasticamente, coisa que ela já se acostumou a sentir. Após algum tempo de escalada os dois encontram uma caverna, e a Coroa finalmente se acalma, e enquanto um confuso Simon tenta, meio grogue, entender o que está acontecendo, uma Marceline encantada olha, com os olhos cheios, pro horizonte.

Para além da cidade, uma tira do céu ficou completamente preta, e ela crescia a cada segundo. A brisa se transforma em ventania, fazendo a caverna uivar, despertando de vez o futuro Rei Gelado. Juntos, olhando pro horizonte, eles vêem a base da Onda Anômala consumir a cidade inteira. Praticamente um prédio de água com 300 metros de altura andando sem perturbações pelas ruas. A água festejava no meio de todos os pedregulhos, ruínas e escombros aos quais se tornaram familiares nos últimos anos, levando embora todos os Ooozers, fantasmas, gosmas e outras dimensões. Quando chegava no centro da cidade, perto do lugar onde ficava a casa deles, a onda começou a quebrar. Fazendo um barulho de trovão, a onda cai sobre a cidade e deixa um pequeno oceano de brinde. Alicerces tremeram e estruturas afundaram, e quando a onda voltou, levou com ela a destruição que lá havia.

Por meses as ondas continuaram vindo e a água continuou subindo. Enquanto cidades e mais cidades desapareciam ao redor da montanha, por ordem de altitude, Simon e Marceline escalavam a montanha conforme a necessidade. Mesmo entretido com a viagem e em paz, já que naquela altitude dificilmente encontraria uma ameaça, a mente de Simon continuava a ruir. Ele nem usa a Coroa por lá, mas isso nem importa mais. Marceline escreve que ele continua tendo suas crises, e que elas duram cada vez mais. A linha, agora tênue, entre Simon e Rei Gelado começa a ficar mais fraca ainda.

Marceline encontra consolo nos momentos onde Simon é ele, chegando a descrever essa época das montanhas como "a melhor que já tiveram juntos". Talvez porque ela conseguia sentir que aquilo era o início do fim, e queria aproveitar ao máximo. Naqueles dias quietos, Simon disse a ela tão gentil quanto sua alma despedaçada permitiria, sobre todas as suas teorias de quem ela seria e de onde veio. Ele evitou a palavra "demônio" pra não ferir os sentimentos da menina, mas nessa última aula ele ensinou-a tudo o que sabia sobre as dimensões e como fazer pra ir à Noitosfera, e sobre como ela era meio-humana e meio-"alguma-coisa". Quando Simon terminou de falar, os dois sentaram em silêncio, de mãos dadas e sorrindo, aproveitando cada segundo que restava.

"Por agora, somos só eu, o Simon e os vaga-lumes. Todas essas pequenas luzes seguindo o vento. Daqui da montanha dá pra ver os vaga-lumes vagarem por entre os escombros da cidade. É quieto e bonito. É mágica".



2.14 Simon e Marceline - Pt. 5: Abandono

"Sério, Simon. Por favor, não vai".
"Eu...eu tenho que te proteger".
"Como você pode me proteger se não vai estar aqui?"
"Vou arrumar alguém que cuidará de você. Vou garantir que ele não vá embora".
"Por favor, Simon, eu posso te ajudar com isso".
"Sim, talvez um dia você ajude. Mas até lá você tem que ser valente, minha Marceline".
[7ª Temporada, Episódio 7]

"Ele ficava indo e voltando do seu Eu verdadeiro. Parecendo científico em um momento e em outro gritando non-sense. Ele colocou tudo o que juntou durante esses anos em seu trenó. Ele está indo, mas não sei pra onde. Ele só diz "Norte". Eu coloquei, sem ele ver, algumas fotos de nós juntos em seu bolso. Espero que um dia ele volte a ser quem é. Me mata ver a Alma dele morrer assim".
[Diário da Marceline]

A hora chegou. Simon lutou contra os sussurros gelados durante muito tempo, e agora não consegue mais. Ele está velho e cansado. Seu espírito dói dos sofrimentos internos e externos. A perda de Betty. A destruição do mundo. A luta constante pela sobrevivência. Ele teria sucumbido à Coroa há muito tempo, se não fosse por Marceline. Há quanto ele a encontrou? Três anos? Cinco? Ele não sabe, mas foi quando ele encontrou sua pequena princesa sozinha nesse mundo. Durante esses anos Marceline foi o farol na nevasca de sua mente, sempre ajudando-o a voltar pra casa não importa o quão perdido ficasse. Mas agora a nevasca era para além de Simon no mesmo tanto em que estava dentro dele. Ele e a Coroa se tornaram um par inseparável e uma fria atmosfera o seguia onde quer que fosse. Não havia mais nada que pudesse fazer por Marceline. Os poderes de gelo não mais protegeriam-a, e sua presença se tornou uma ameaça. A Coroa está chamando Simon pro Norte, e se Marceline segui-lo, morrerá.

Em um abrigo improvisado, Simon grava o último de seus vídeos, exibido no episódio "Segredos de Holly Jolly Pt. 2", onde ao fundo vemos Marceline ajeitando um trenó do lado de fora. Quando Simon termina de gravar e vai pra fora, ela implora pra que ele não vá. Lá no fundo ela entende a ameaça que ele representa a ela e os motivos dele ir embora, mas isso ainda quebra seu coração. Seu melhor amigo de quatro ou cinco anos - o único amigo que ela já teve - está deixando-a pra sempre. Simon vai tirar uma de suas lágrimas com o dedo, que a congela, e acaba cortando-a. Ele entra em uma espécie de pânico, e tenta partir rapidamente antes que a machuque de novo. Simon pula no trenó e murmura um último adeus enquanto agita os cachorros. Marceline tenta correr atrás do trenó, mas cai no chão chorando e implorando que Simon volte. Ele luta contra suas próprias lágrimas, já que não pode mais lutar contra a morte de sua Alma. E pro Norte ele foi.


3.1 Hunson Abadeer

"Eu vou arranjar alguém pra cuidar de você. Vou garantir que ele não te abandone..."

Marceline passou a sua primeira noite sozinha chorando em seu travesseiro, de coração quebrado e entorpecida, como em um leve estado de choque. Não podia ser real. Quatro anos, e agora terminou. Simples assim. Quatro anos de choros e risadas, explorando o mundo e encarando perigos, lutando pela sobrevivência um do outro. Pela primeira vez, quando acordasse de manhã - se é que vai conseguir dormir - ela não veria Simon ali. A solidão fez ela sentir mais frio do que os sentidos quando perto de um dos surtos da Coroa. Quando resolve se deitar em seu abrigo solitário, ouve um barulho ao pressionar o travesseiro contra o chão. Era uma carta.

"Querida Marcy. Se você está lendo isso, nosso tempo juntos acabou. Sinto muito ter feito você assistir à minha alma se esvair. Não consigo imaginar o quão difícil deve ter sido lidar com a pessoa perigosa e insana que me tornei. Mas creio que essa carta irá me redimir de alguma maneira".

"Depois de vasculhar por todos os rituais existentes e centenas de criaturas sobrenaturais que eu e Betty registramos, acredito agora que seu pai seja uma espécie de rei morto-vivo, ou um Lorde demoníaco conhecido como 'O Sem Nome' (Nameless One) em uma dimensão paralela chamada Noitosfera".

"Eu consegui, Marceline! Eu completei o ritual! O portal se abriu! Um rasgo entre as dimensões apareceu. Eu vi Hunson e ele me viu. Cada um de nós olhando o outro por aquele estranho rasgo na barreira que separam os dois mundos. Depois eu joguei a magia de ligação no seu pai, o portal se fechou e tudo ficou escuro. Só Deus sabe o que eu fiz. Tudo o que eu sei é que vou te deixar aqui, ir pro norte e ESTABELECER O MEU REINO, COMO NOS TEMPOS ANTIGOS, GUNTER!"

Ali, sentada, com onze anos de idade, abandonada em um mundo pós-apocalíptico, ela acaba de saber que o seu pai está não só vivo mas é rei dos demônios presidindo o que é equivalente ao inferno dos demônios. E estava ali do lado dela. Um pouco pra esquerda, bem ali na parede. A carta continha instruções de como abrir o portal, e ela podia abrir um ali na parede pra encontrar o seu pai pela primeira vez. Agora Marceline estava cansada. Sua cabeça girava onde confusão e náuseas tomam o lugar da tristeza que ali reinava. Sobrecarregada, ela finalmente dorme.

Quando acordou, pela manhã, alguma coisa tinha sumido. Não era ruim. Era...diferente. Marceline se sentia mais ciente de si mesma e de seus arredores, e um aroma curioso surge em seu radar. Um cheiro forte, que a guiou pra floresta, onde logo encontrou um acampamento. Pela primeira vez em sua vida, Marceline encontrou criaturas vivas que não são ela, Simon ou os monstros da cidade: lobisomens.

Ao contrário do que você pensou, ela fez amizade rapidamente. Era irmãos, chamados Remi e Rosella. Por dias ela viajou com eles, aprendendo tudo sobre a espécie e compartilhando experiências que tiveram no pós-guerra. Estar com eles ajudou com que ela pensasse sobre tudo, começando vagamente a se reconciliar com a realidade de herdeira do rei, e lidar com a tristeza da perda do Simon. Meio nervosa, uma dia ela se abriu com os irmãos, falando sobre quem ela acha que poderia ser, e como ela estava decidindo ir ou não se encontrar com o pai.

Ao ouvirem, a orelha dos lobisomens subiu. Disseram que o Sem Nome, como o conheciam, não era de brincadeiras. Confirmando as teorias de Simon, Remi e Rosella falaram tudo sobre o imenso poder e autoridade de Hunson Abadeer, e sobre o medo sem precedentes que seu nome provoca em tudo o que é sobrenatural.

Mas, surpreendendo Marceline, os lobisomens concordam em fazer o ritual que o invoca. Aliás, isso será um erro.


3.2 - A Solitária Princesa Demoníaca

"Ele é horrível! As primeiras pessoas que entro em contato e a primeira coisa que ele faz depois de me encontrar é sugar a vida delas. Agora eles são cachorros murchos na sujeira. Não foi nada pra ele!"

"Quando toquei no machado, senti uma estranha sensação percorrendo minhas veias, como um sobressalto de energia. Tem alguma coisa nisso. Bom ou ruim, não me importo, foi um presente do meu pai e vou gostar dele pra sempre. Estranho como os seus sentimentos podem mudar de uma hora pra outra".

"Eu estava TENTANDO ser legal. Achei que podia tirar o melhor de uma situação horrível. Pensei que o pior tinha acabado. Mas então ele roubou DE MIM. DE SUA PRÓPRIA FILHA".
[Diário da Marceline]

Marceline, Remi e Rosella fizeram o ritual para invocar Hunson, e nada de bom aconteceu depois disso. A primeira coisa que Hunson fez foi sugar as almas dos únicos amigos de Marceline, fazendo um corte profundo pra engordar a coleção de cicatrizes dela. Ela ficou aterrorizada e com raiva, mas acima de tudo, ficou desnorteada como nunca antes. Era pro encontro com seu pai trazer um sentido a tudo, dar respostas e fazer com que ela se sentisse amada, mas nada disso aconteceu.

Por semanas eles ficaram lado a lado, ela tentou de tudo pra dar certo, tentou fazer com que seu pai fosse o homem que nunca conseguiu ou pôde ser. Em alguns momentos ela começou a gostar genuinamente dele, afinal, tinha um imenso carisma demoníaco, só que não duravam muito. Ele era imprudente, violento e arrogante, e sempre estragava as coisas. Ele contou um pouco sobre a mãe dela, levou-a a um parque de diversões, e deu de presente uma relíquia da família: o Machado Abadeer. Ainda assim, ele matou os únicos amigos dela, e depois a matilha inteira de lobisomens.

Marceline conseguia suportar os defeitos do pai enquanto estes afetavam apenas outras pessoas, até que eles se viraram contra ela. Cansada, Marceline fez o pai estacionar em uma parada de caminhoneiros, onde ela fritou batatas, um auto-presente pra renovar seu espírito. Foi ao banheiro, e quando voltou, seu pai havia comido tudo. Aquilo, de alguma forma, foi a gota d'água pra ela, que abriu o portal novamente e mandou seu pai pra Noitosfera. Sozinha de novo (pense: encontrar batatas e um lugar pra fritá-las em um cenário pós-apocalíptico deve ser bem difícil).

Procurando por alguma direção, algum objetivo a ser alcançado, ela lembrou de um prédio onde funcionava um shopping. Ela e Simon passaram por ele em uma das cidades que atravessaram juntos. Ele pediu que fosse pra lá caso se separassem um dia. Sabia ela que Simon não estaria lá, mas foi mesmo assim, desesperada pra fazer algo que ocupasse sua mente. Por algumas semanas ela ficou no shopping, lendo livros, provando roupas e tocando músicas no contra-baixo que ela fez a partir do Machado Abadeer. Lá encontrou um novo amigo, uma espécie de cachorro-zumbi que ela chamou de Schwabl. Finalmente um que não fosse abandoná-la ou que não poderia ser morto pelo seu pai. Toda noite ela dormia abraçada com o cachorro em um mundo que, de forma estranha, ficava cada vez mais frio.


3.3 Marceline, a Caçadora de Vampiros

"Eu caço vampiros por sua causa! Matando vampiros e protegendo os últimos humanos restantes. É como se eu estivesse te protegendo. Foi a única coisa que me trouxe felicidade por anos".
[Episódio 4, 7ª Temporada]

Uma quantidade de tempo desconhecida se passa. Marceline parece mais velha. Ela e o Schwabl saíram do shopping há muito tempo. Ela parece estar seguindo a vida bem. Fez um acampamento com estoque grande de comida e mantimentos. Nas horas vagas, pratica no seu contra-baixo e lê tudo o que pode.

Um dia, algo estranho acontece: um humano aparece em seu acampamento. Animada, ela vai dar oi. Conforme se aproxima, o seu coração bate tão rápido que quase para. O homem tem um longo cabelo branco, e por um segundo ela pensa ser o Simon. A ilusão se vai quando ela vê também, acompanhando ele, uma mulher e uma criança. Uma família a achou.

Antes que ela pudesse chegar neles, uma estranha criatura sai do nada e se prepara pra atacá-los. Sua pele fantasmagórica e suas orelhas pontudas lembram um pouco dela mesma, só que muito mais monstruosas. Então decide gritar pra família fugir, mas seus instintos demoníacos falam mais alto e ela investe contra a criatura. A família foge em pânico enquanto Marceline rola na lama com a criatura, tentando matá-la de algum jeito. Ela não tem armas a sua disposição, e as forças são equivalentes, não há como dominar a situação. Conforme rolam e se confrontam, Marceline acha um pedaço de pau pontiagudo, e rapidamente o enfia no coração do bicho, que se transforma em uma núvem de gás brilhante. Ela acaba de matar seu primeiro vampiro.

Conforme a adrenalina vai sumindo de seu sangue, seu coração é preenchido com um novo propósito. Ela não vai mais andar sem rumo pelas cidades, olhando apenas pro passado e se sentindo impotente. Se aquela família estava viva, devem haver mais delas por aí, e se existem mais delas por aí, existem mais vampiros querendo o sangue dessas famílias. Com o seu sangue demoníaco lhe dando poder, ela pode combater os vampiros e ser uma guardiã. Depois de todos esses anos sendo protegida, agora é ela quem iria proteger. Ela faria isso pelo Simon.

"Eu devo muito a ele por ter salvo a minha vida e ensinado quase tudo o que eu sei. Sinto muito a falta dele. Sempre vou amá-lo"


3.4 A Tribo Humana

CRIANÇA: "Isso é sério, Marceline. E se eu fosse um vampiro? Você precisa de um chapéu animal"
MARCELINE: "Parece que o projeto está indo em frente, hein?"
TOM: "Ei, Marceline!"
MARCELINE: "Two Bread Tom, como é que vai?"
TOM: "Estou ótimo, comi um sanduíche. E os consertos no navio estão quase prontos. Acho que estamos prontos pra navegar em um dia ou dois".
MARCELINE: "Nossa, isso é muito bom. Mas ouve: eu já matei quase todos os vampiros que existem. Em uma semana ou duas vocês nem precisam ir embora!"
TOM: "Ah, Marceline, você é uma menina doce e estranha. Mas não são os vampiros ou os Ooozers. São as últimas leituras da atmosfera. Tá tudo estranho. Tem algo grande vindo e isso vai mudar tudo. O melhor que podemos fazer é sair desse continente".
[Episódio 7, 7ª Temporada]

Mais alguns anos se passa, e a aparência dela agora é a que conhecemos dos desenhos. Desde aquele primeiro vampiro, ela se tornou uma expert em caçá-los, bem como uma ótima baixista. Seus poderes demoníacos ficaram mais fortes, e durante suas caçadas descobriu uma habilidade interessante: a de sugar a essência de coisas vivas, como seu pai faz. Numa vez, após intensa perseguição em uma cidade, ela conseguiu absorver a essência de um dos vampiros mais fortes: o Tolo. Tal essência deu a ela o poder da levitação. O Tolo era membro da Corte, uma Realeza dos vampiros. Cada membro da corte tinha um poder que os vampiros normais não tinham: levitação, hipnose, controle da forma do corpo e regeneração instantânea. Ao descobrir isso, Marceline quis absorver os poderes da Corte e destruir a colmeia de vampiros onde ela governava, em uma jogada audaciosa pra eliminar de uma vez essa raça da Terra. Com esse intuito, ela arrumou suas coisas e partiu para as florestas, onde a colmeia ficava.

Um dia, procurando por comida, ela pega algo que pensa ser um coelho. Pra sua surpresa, é uma criança humana, vestindo um chapéu com orelhas de coelho (quase idêntico ao que o Finn usa). Marceline se desculpa, mas ao sorrir e revelar suas presas de demônio, a criança foge, aterrorizada. Ela tenta pegar a criança pra esclarecer a situação e porque ela temia pela segurança dela. Assim, ela descobre um acampamento de humanos, onde todos vestiam um capuz que imitava a cabeça de um animal. Depois ela descobre que isso é uma medida de segurança: aquele capuz era grosso o suficiente pra não deixar as presas do vampiro passarem. Ela tenta se apresentar pras pessoas, mas flutua ao ir na direção deles, e assusta a todos.

Mais tarde, o grupo se reúne em outro acampamento, sem saber que Marceline seguiu-os. O líder do grupo, conhecido como Two Bread Tom, pega um violão e começa a tocar a música "According to our new arrival".


Nos arbustos, ouvindo tudo, Marceline começa a tocar a música também. A criança ouve, vai até ela, oferece uma coxa de frango e, com gestos, diz pra ela tocar mais. "Você quer que eu toque mais?". É quando Two Bread Tom aparece com todas as pessoas e confirma, pedindo pra ela se juntar a eles. Graças à música, ela ganhou a amizade deles.

O acampamento ficava numa parte da floresta que se encontrava com o mar, e ela passaria uns meses por ali, protegendo-os de vampiros enquanto continuava com sua missão de destruir a colmeia. Nessa empreitada, ela consegue matar mais dois vampiros da Corte: a Imperatriz, que tinha a habilidade da hipnose, e a Lua, que podia se regenerar. Com esses novos poderes absorvidos e seu sangue demoníaco, Marceline passa a ter grande força. A sua missão de eliminar todos os vampiros, talvez, logo esteja completa.

Mas parece que os humanos temem algo além de vampiros e ooozers. As noites geladíssimas que Marceline vivenciou no shopping chegaram na floresta, e os humanos acham que esse é o primeiro sinal de uma grande mudança. Eles vêm trabalhando em um barco, fazendo consertos pra poderem sair do continente em busca de uma terra paradisíaca, sem vampiros, ooozers, criaturas bizarras e mudanças atmosféricas dramáticas. Tal continente ainda virá a ser Ooo.

Acontece que os vampiros restantes sabem que os humanos planejam ir embora, e eles não querem deixar a única fonte de comida deles partir.


3.5 O Rei Vampiro

REI VAMPIRO: "Você pode parar isso agora, Marceline. Não é tarde demais. Você tem poder agora, eu vejo. Mas você não pagou o preço. Isso está te deixando louca. Não há nenhum vampiro além de mim. Você quer extinguir uma espécie inteira?"
MARCELINE: "Pela última vez sim. Esse é todo o meu plano".
REI VAMPIRO: "Então que seja. Sabe, Marceline, tem outro jeito".
MARCELINE: "Não enche".
REI VAMPIRO: "Não. Um outro jeito de salvar o meu povo".
MARCELINE: "Espera! NÃO!"
[Episódio 12, 7ª Temporada]

O Rei Vampiro e o Hierofante - o último membro da Corte vivo - reuniram o que restou de vampiros na colmeia pra começar um plano de investida contra os humanos. Enquanto trabalhava no deck onde ficava o navio, o Hierofante, que podia se transformar, se infiltra no acampamento disfarçado de Schwabl com o intuito de fazer um banquete. Ele se revela e, após uma luta aérea, Marceline consegue matá-lo e sugar o seu poder, que talvez não seja o suficiente pra enfrentar o que vem a seguir.

Das sombras da floresta surge o Rei Vampiro, que calmamente vai em direção a ela. Ele estava sozinho agora. A caçadora de vampiros não deixou ninguém pra ajudá-lo. Marceline é um bom oponente pro rei: meio-humana, meio-demônio, que sugou os poderes dos vampiros mais fortes que já existiram. O Rei, óbvio, é bem forte também. Ele tem grande força física e poderes telecinéticos incríveis.

Os dois lutam e logo estão parecendo trapos. Porém, o Rei não quer matá-la, pois vê nela algo parecido com ele: uma criatura imortal com grande poder andando sobre as formigas que vivem na Terra, e nela residiam os poderes de vampiros históricos. Ele não iria querer eliminar tudo de sua espécie. A luta acaba com Marceline vitoriosa após a desistência do Rei. No golpe final da luta, o rei sucumbe e deixa com que ela enfie uma estaca em seu coração, só que com um plano em mente. Quando Marceline se aproxima pra enfiar a estaca, eles trocam falas e, de surpresa, ele a morde.

O Rei vira aquela nuvem de gás, mas ela está agonizando de dor e não consegue sugar sua essência. Com a mordida, seu sangue demoníaco começa a ferver, e ela começa a se transformar em outra coisa. Um tipo muito mais poderoso de imortalidade nasce nela. Sua mente fica nublada, e uma sede insaciável de sangue humano surge. A Rainha Vampira nasceu.

Ela se contorce no chão por conta da dor. Seus amigos humanos se aproximam pra ajudá-la, mas ela grita pra ficarem longe. Sua mente gira e seu coração fica negro, enquanto instintos ferozes começam a tomar conta dela. O delicioso cheiro do sangue daqueles humanos invade suas narinas. Ela entra em pânico enquanto adrenalina, medo e fome tomam o seu corpo. Sabe que precisa ir embora. Com a pouca força que lhe restou, ela consegue pegar o Schwabl e sair voando pra longe. O mais longe possível. O quanto conseguir até aquela sede por sangue tomar a sua consciência. Consegue então chegar em uma caverna, onde desmaia enquanto exaustão e um novo modo bizarro de vida tomam tudo ao seu redor.

Quando ela acorda pela manhã, percebe que fez algo horrível: Schwabl está no chão, exaurido, com a vida nos olhos indo embora e duas marcas de dente em seu pescoço. Marceline agora se odeia. Ela não podia ter deixado isso acontecer de novo. Não era pra ela deixar seus amigos outra vez, ou deixar com que um deles morressem, e agora ela mesma matou um. Desesperada pra salvar o cachorro, ela começa a procurar por algum tipo de salvação. A procura não dura muito tempo, já que logo ela acha um acampamento cheio de magos.

Ela entra cheia de raiva (de si mesma) no acampamento, exigindo uma cura pro cachorro. Os magos, temendo pela vida, pegam um estranho livro e anotam uma magia que ela pode usar. Com a magia em mãos, Marceline se prepara pra ir embora, mas os magos decidem atacá-la. Óbvio que foram trucidados, e agora ela tinha o livro. De volta à caverna, ela se prepara pra fazer o ritual. Então recita as palavras anotadas e olha, ansiosa. O cachorro começa a ter uns tremeliques e segundos depois estava latindo e pulando. Ela fica feliz, mas está cansada. Cansada e com muito frio.

A batalha, e todas as outras antes dessa, todas as suas perdas, seu coração partido, e anos vagando por aí deixaram Marceline extremamente cansada. Os vampiros se foram e os humanos estão seguros. Ela e Schwabl estão seguros e vivos. Conforme o mundo se aproxima de uma grande transformação, pensa ela que finalmente poderá descansar. Marceline aproxima o cachorro dela, usa o Enquirídio de travesseiro, e entra em uma hibernação profunda.


3.6 - Criação do Reino Gelado

Em algum lugar, bem ao norte do continente, uma terrível tempestade de neve está crescendo, e a cada dia ela fica mais forte. Um homem que já foi conhecido como Simon Petrikov está parado no centro da tempestade, alimentando-a em meio ao desespero remanescente de sua antiga alma. Desespero por ter perdido sua querida Betty e sua preciosa Marceline. A Coroa agora se prepara pra tomá-lo completamente, e como ele não tem pelo o que lutar, não luta. Ele e a Coroa se tornaram uma coisa só, e juntos como o Rei Gelado, eles colocam o mundo em uma terrível era glacial. Por séculos a nevasca continuará, onde essa assustadora nova entidade erige o Reino Gelado.

O antigo reino de Urgence Evergreen nasce na terra de Ooo.


3.7 - A Rainha Vampira e o Rei Gelado

Séculos depois, o mundo descongela e Marceline acorda de seu sono. Enquanto dormia, a raiva que alimentava a Coroa se dissipou, e tudo o que restou do Rei Gelado foi um homem velho e sozinho. Contudo, não havia nada de Simon Petrikov ali. O jeito de falar, o jeito de pensar e o de agir, tudo diferente. Mesmo assim, parecia que um pedaço de Simon controlava aquele Ser. Talvez pela vontade reminiscente de saber o que houve com Marceline.

O Rei Gelado apareceu várias vezes na porta de Marceline durante os séculos que se seguiram após o descongelamento, mesmo sem saber por quê. Ele sabia que eram amigos, mas não lembrava de toda a história, e não entendia os olhos tristes de Marceline toda vez em que o via.

Ela tentou fugir pra longe dele, pra não ter que ver o que restou de Simon, sem sucesso, porque aquela parte do Simon conseguia encontrá-la. Meio milênio se passa, e Marceline já sabe que não importa o que ela faça, o Rei Gelado nunca sairá de sua vida.

"Por que você continua vindo me ver se não lembra de mim? Você não se lembra de nada! lembra, Simon?"

Leva muito tempo até Marceline se reconciliar com o passado e aceitá-lo. E quando conseguiu, percebeu que Simon estava em algum lugar ali dentro do velho louco. De certa forma, ele fazia ela rir e sorrir e esquecer de todos os seus problemas, como nos bons tempos.

E como essa trágica história termina?

"Bom, a pequena Marcy se sentiu muito melhor, e ela e o Simon viveram felizes pra sempre"
"Nossa, que legal!"
[Temporada 4, Episódio 25 - "Eu lembro de você"]

4. Era do Milênio - Parte 2: A criação do Reino Doce

Nascimento da Princesa Jujuba e Consolidação do Reino


4.1 A Mãe-Doce

PRINCESA JUJUBA: "Quer dizer, sim. Uma das primeiras coisas que fiz antes de garantir que o Neddy estava seguro foi fazer as pessoas de doce. Eu fui formada na Mãe-Doce. Minha mente estava em contato com muitas outras, como um útero lotado. Acho que sinto falta disso".
JAKE: "Mas o Neddy veio do mesmo lugar que você e ele age como um salsicha molhada com as pessoas".
JUJUBA: "As pessoas são construídas de forma diferente. Não precisamos entender ou mudar isso. Apenas respeitar. Talvez ele goste da companhia dele mesmo mais do que eu gosto da minha".
[Episódio 1, 7ª Temporada]

Quando aquelas ondas gigantes atingiram o continente, aquela coisa rosa que ficava nas cidades foi pra um lugar mais seguro. Essa coisa era a matéria bruta do Doce. Essa matéria se juntou em diversos lugares e começou a formar colmeias. Muitas delas foram destruídas pelas ondas, mas as que sobreviveram começaram a se fortalecer e reunir nutrientes. Essas "mães-doces" formaram conglomerados com esporos de Doce. As colmeias ficaram com menos tensão e permitiam, por meio desses esporos, que as partes fossem se separando pra tornarem-se formas de vida individuais.

Um dia, provavelmente depois do fim da Era Glacial provocada pela fúria do Rei Gelado, uma dessas colmeias, localizada no teto de um prédio destruído e inundado, soltou uma parte especial. Era uma pequena parte, que caiu no chão ensopado do prédio. Era um bebê que viria a se chamar Bonnibel Bubblegum. Gingando meio desembaraçada, ela balbuciou um último adeus na língua do Doce pra sua colmeia. Porém, antes de partir, um pedaço de Doce maior caiu em uma estalagmite pontiaguda, em um nascimento que machucaria o pobre bebê Neddy, com consequências que ficariam pro resto da vida. Ele, que nasceu parecendo uma lesma ao invés de humanoide, como Bonnibel, gritou de dor e saiu rapidamente por uma abertura na parede. Ela, meio que cambaleando pois acabou de começar a existir como indivíduo, vai atrás dele o mais rápido que pode.

Os irmãos de doce acabam chegando em um belo campo, demarcado por montanhas pontudas e rosas nos seus entornos, logo após uma floresta bem verde. Uma corrente de vento tóxico passa por esse campo, que tinha em um dos seus cantos uma árvore. Era uma árvore com folhas semelhantes a um algodão doce, e galhos que pareciam refrigerante cristalizado. Neddy, ainda em pânico, acaba em um dos galhos dessa árvore, e como um bebê, começa a sugar essa coisa cristalizada que são os galhos. Seu corpo incha e seus poros começam a excretar um estranho líquido açucarado, uma espécie de suco de Doce. Isso tranquiliza Neddy, e essa simbiose parece beneficiar a árvore também, enchendo-a de nutrientes revigorantes.

Bonnibel está feliz em ver que seu irmão encontrou algum conforto no mundo depois daquele início difícil. Ela olha pras montanhas, mas com a mente nele e na colmeia, desprotegida em um mundo ainda perigoso. O campo diante dos seus olhos é lindo, claro, mas seu local de nascimento era escuro e sombrio, e Neddy estava em pânico até achar aquela árvore. Sabendo que estavam seguros ali, uma sensação horrível de solidão tomou o coração dela. Mesmo com pouco tempo na Terra, ela já sabia que era uma pequena parte de um Doce social e familiar, fazendo ela relutar o abandono à sua colmeia. Então começou a construir um novo lar.

Ela pega o líquido que estava sendo excretado por Neddy e cria o seu primeiro bebê-doce. Depois cria outro, e mais um, vários, sem parar. Após um tempo ela faz algumas casas, e juntos começam a construir uma vila. Percebem que precisam proteger aquela vila, e constroem um muro nos arredores. Ao parar pra respirar, Bonnibel Bubblegum lembra do tímido Neddy, que ficou no cantinho dele, sem falar com ninguém, esse tempo todo, sugando o doce da árvore e produzindo o líquido que tornava aquilo tudo possível, desviando o olhar e a atenção de toda aquela "bagunça" acontecendo ao seu redor. Nesse ponto, ele e a árvore cresceram juntos, e estavam um tanto grandes. Neddy estava parecendo mais um dragão gordo do que uma lesma, enquanto a árvore crescia tanto que seus galhos se espalhavam pra cima e ao redor, parecendo um grande edifício. Meio que pra dar a Neddy a privacidade que precisa e meio pra dar proteção àquela simbiose nuclear que tornava a vila uma realidade, Bonibbel começa a construir um castelo ao redor dele. Agora, com cidadãos, casas, vilas, um muro, um dragão, uma árvore da vida e um castelo, o Reino do Doce parecia bem promissor.


4.2 - Shoko

FINN: "Eu vejo...minhas vidas passadas. Eu era um cometa...uma coisa...não sei o que era. Algum tipo de forma?
JAKE: Você se lembra de algo sobre a moça assustadora?
FINN: Moça assustadora? Sim. Eu era ela! Só que ela era um tigre gordo. Não, não, não. Espera, espera. Ela estava em cima do tigre, e não era assustadora.
[Episódio 34, 5ª Temporada]

Finn não é a primeira encarnação do Cometa Catalisador Azul que visita o Reino do Doce. Era uma vez uma mulher (não é esclarecido se ela é humana ou não) que os pais venderam seu braço direito pra comprar um computador. Depois da transação, ela foi abandonada em um dojo. Ela cresceu por lá e, lidando com os problemas do abandono, não foi uma surpresa ela ter virado uma ladra profissional. O nome dessa estranha criança era Shoko.

Um dos clientes costumeiros dela era a Gangue dos Garotos do Banho, que ficavam em um acampamento próximo ao Reino do Doce. Certa vez, o chefe da gangue a contratou pra roubar um amuleto da Princesa Jujuba, a Bonnibel. Eles não sabiam se ela tinha achado ou criado o amuleto, mas a gangue o queria, porque aparentemente o negócio tinha um incrível poder capaz de transformá-lo no "maior queijo de toda a criação".

Depois de ameaças e insinuações típicas dessas negociações sombrias, Shoko e seu tigre partem em busca do artefato. Durante essa história, a Princesa Jujuba está com a aparência que tem nos tempos modernos, mas a Guarda Real, composta de bananas, não está na melhor forma e o muro ainda está em construção, o rio ainda está sendo coberto de doce e a Grande Árvore de Doce ainda está crescendo. Tudo está crescendo, mas essa gangue provou ser um problema real: ataques surpresa, roubos, etc, se tornavam frequentes. Ela, é claro, começa a preparar um contra-ataque potente.

Shoko consegue se infiltrar no Reino do Doce e começa a ganhar a confiança da Princesa Jujuba fingindo ser a refugiada agradecida que oferece trabalho em troca do refúgio. Depois de trabalhar um pouco e simular uma batalha onde ela derrota um dos Garotos do Banho, ela se torna a pessoa em que a Princesa mais confia. Como resultado, a Princesa pede a ela que a ajude em sua tarefa secreta: os Guardiões Chiclete.

Juntas no laboratório secreto subterrâneo do Reino, elas dão os últimos retoques nos guardiões, e a Princesa usa o amuleto pra ativá-los. Como agradecimento pela ajuda e lealdade, a Princesa dá à Shoko um presente: um braço prostético. Ela fica tocada com o gesto, e com lágrimas de culpa, foge. A Princesa acabou se tornando sua primeira amiga, mas sabe que ainda tem que roubar o amuleto, porque tem medo do que a gangue pode fazer com ela.

Mais tarde, naquela noite, enquanto os Guardiões estão aprendendo suas funções pela cidade, Shoko escala as torres do castelo pra chegar no quarto da Jujuba. Quando ela está prestes a pegar o amuleto, que a Princesa usava como colar, os Guardiões a pegam e tocam o alarme. Ela, rapidamente, pega o amuleto e corre pra fugir, mas um tiro poderoso de um deles faz com que ela caia no rio, infestado de radiação. Jujuba ordena que eles a salvem, mas é inútil: a mão do guardião derrete com a acidez do rio. Relutantemente ela desiste, e Shoko, junta com o amuleto, aparentemente se foram pra sempre.

Algum tempo depois, Shoko sai do rio com mutações horríveis. Com o amuleto em mãos, ela anda pelas terras de Ooo quase morrendo. Finalmente chega em uma árvore, percebe que as mutações fizeram um braço novo nascer, sorri, e se vai. Essa árvore ainda será a casa do Finn e do Jake.


4.3 - Chicletão

"Era uma época muito mais selvagem no Reino do Doce. Eu era membro de uma elite policial robô criada pela Princesa Jujuba. As tentativas anteriores de segurança foram um tanto atrapalhadas. Nossas espadas abriram caminho pelo caos, mas tivemos sucesso demais"
[Episódio 46, 5ª Temporada]

As bananas, que ainda não estavam maduras (sem trocadilhos), eram incompetentes e incapazes de fazer a guarda. Chegou ao ponto delas não reconhecerem crimes óbvios acontecendo diante de seus olhos. Em casos extremos, os guardas aplaudiam criminosos que fugiam. Em resposta a isso, a Princesa criou uma elite policial de robôs-máquinas-de-chiclete. Essa nova polícia combate o crime aos moldes do policial-juiz-carrasco, usando violência excessiva pra repreender - ou até aniquilar - pessoas do Reino pelos crimes e erros mais bobos.

Os robôs eliminaram todo o crime rapidamente, e isso pode ter tornado o Reino mais perigoso. Mesmo quando ela não queria, os robôs agiam com violência. Eles pareciam não funcionar sem isso. Sem crimes restantes, eles acabam fundando um clube da luta subterrâneo como válvula de escape pra sua violência. Parece que os robôs conseguiram se controlar, mas por quanto tempo?

A Princesa está desanimada, pra não dizer pior, e como medida cautelar, planeja eliminar todos os robôs. Embora pareçam loucos com o que foi dito deles até agora, pelo menos eles são totalmente leais, e obedecem os seus comandos sem falhas. Ela manda os robôs em grupos pra uma máquina de esmagar, e um deles começa a resistir, agindo por conta própria. Com apenas uma fração de segundo pra agir, ele consegue cortar um fio da máquina e abrir um buraco com a forma de seu corpo na parede, fugindo sem a Jujuba saber.

Com a destruição dessa elite robótica, a Princesa Jujuba recoloca os Guardas-Banana no Reino. Eles não são os melhores, mas parece que os robôs conseguiram eliminar os criminosos mais perigosos do pedaço, e os restantes não seriam um desafio grande. O robô que fugiu começa a treinar suas habilidades e conhecimentos. Ele protegerá o Reino e sua Princesa nas sombras.


4.4 - Billy contra o Lich

"Além do Lago do Iceberg está a antiga Torre do Lich, onde ele convertia a força vital da Terra em força profana numa tentativa de destruir Ooo...mas antes que ele pudesse, o lendário Billy o impediu e colocou-o na resina dessa árvore"
[Episódio 24, 2ª Temporada]

Finalmente o Lich chega nas terras de Ooo. Suas atividades desde a Guerra do Cogumelo são um mistério, mas ele definitivamente chegou nas terras coloridas desse continente. Construiu uma torre ao redor de sua manancial de poder, que era uma piscina cheia do líquido que estava dentro da última bomba da Guerra (ou uma recriação desse líquido). Em outro grande ritual de necromancia, o Lich se prepara pra converter toda a pouca força vital restante do mundo em Poder Profano pra eliminar toda a vida de Ooo.

Por sorte, na época disso aí, um herói lendário protegia a ilha. O grande herói Billy. Ele era um humanoide de grande estatura, imensamente forte e destemido, e já tinha lutado contra grandes mazelas por lá, como o Conde do Fogo e o Oceano do Medo. Quando ele ficou sabendo dos atos do Lich, pegou sua espada Nothung e a Luva do Herói pra impedí-lo.

Acontece que o Lich não pode ser morto. Billy golpeou impiedosamente a Entidade com sua espada e a luva, que causavam pouco dano. Alguns golpes eram mesmo mortais, e o Lich caía, mas sempre ressurgindo das cinzas por uma chama verde. O herói começou a se cansar, e pensou em um plano. Ok, não dá pra matar o bicho, mas quem sabe dá pra incapacitá-lo. A luta continua, mas sendo guiada como quem não quer nada em direção ao Reino do Doce. A luta chega na Grande Árvore Doce, e Billy, com um último golpe, consegue prender o Lich na resina da árvore.

Agora, por enquanto, a Terra de Ooo estava segura. A Princesa selou o lugar onde o Lich estava preso, mas com medo de uma possível influência maligna da entidade no local. Mesmo completamente paralisado dentro de uma grande massa de resina, algo dos sussurros dele alcançava quem chegasse perto. Ela fechou o lugar por medo de seus encantos de magia negra controlassem a mente de alguém e o trabalho feito por Billy fosse destruído. Por quanto tempo o Reino ficará seguro?


4.5 - O Reino Doce da Princesa Jujuba

O Reino do Doce está completo agora, e todo o território está em paz. Ainda na Grande Árvore, Neddy continua alegremente criando seu líquido, e graças aos guardas e a um bom governo, a Princesa acaba dominando os territórios nos arredores do Reino. Usando uma diplomacia brilhante - e quem sabe alguns métodos obscuros e secretos - a Princesa fez do Reino a força dominante de Ooo, mesmo com a ineficácia da polícia banana. Por séculos essa paz seria mantida.

O Reino de Chatsberry foi reestabelecido.

5. Era do Milênio - Parte 3: Todo o Resto

A ordem exata dos eventos desse capítulo não é muito clara


5.1 Moe e os MO's

"O BMO é único e especial. Eu o construí pra tomar conta do meu filho. Mas parece que acabei nunca saindo com uma mulher. Então, isso é triste. Eu mandei o BMO pelo mundo, esperando que ele encontrasse uma família pra ele, e quem sabe achar um pequeno garoto pra cuidar"
[Episódio 24, 5ª Temporada]

Na era da Guerra do Cogumelo existia um homem chamado Moe, um engenheiro genial com o coração pelo menos do tamanho da mente e uma insaciável vontade de criação. Ele dedicou a sua vida às suas invenções dentro da Fábrica MO Co., criando todos os tipos de coisas curiosas e magníficas. Talvez por ter enxergado as coisas, talvez por sorte, ele ficou seguro dentro de sua fábrica durante a Guerra, e lá ficou recluso por séculos. Só que Moe não era um covarde. Mesmo não tendo lutado, ele sabia das consequências da guerra e das forças envolvidas. Porém, ele também sabia do seu papel ali, que era de criação, não preservação. Depois das atrocidades cometidas durante a Guerra, e a destruição de grande parte da vida, um criador era tudo o que o mundo precisava.

O mundo lá fora deu origem a muitas novas formas de vida, e a Princesa Jujuba criou o seu Reino do Doce. Já Moe deu todo o seu carinho e dedicação aos MO's. Ao longo dos séculos, ele construiu milhares - ou milhões, segundo suas próprias estimativas - deles. Pequenos, grandes, altos, baixos, redondos, quadrados, fofos ou loucos, eles eram suas companhias. Em um mundo subterrâneo e robótico, Moe e os MO's viveram felizes por anos (menos o BMO e o AMO).

Muito antes de começar sua gigantesca família robótica, Moe sonhou em ter uma família humana. Infelizmente o seu trabalho, e quem sabe a sua timidez, impediram que tal coisa fosse concretizada. Mesmo assim criou BMO, o mais adorável de todos os MO's. De acordo com ele mesmo, o BMO é especial por conta de sua incrível imaginação, e de sua alma e caráter que podem evoluir com o tempo.

Ele não queria que um robô tão humano desperdiçasse a vida dentro daquele lugar, e o mandou para o mundo. Você sabe quem ele encontra depois.


5.2 Os Gigantes de Fogo e o Reino do Fogo

"Esses são os Gigantes de Fogo adormecidos. Eles são arcaicos protetores do Reino de Fogo. A existência deles é conhecida apenas por aqueles da linhagem Real. Suas histórias foram passadas pelas gerações".
[Episódio 22, 6ª Temporada]

Os MO's não foram o único presente que Moe deu ao mundo da Guerra do Cogumelo. Por razões ainda desconhecidas, ele construiu máquinas incrivelmente poderosas. Sentinelas feitos de pedras monolíticas capazes de gerar uma energia de calor gigantesca, que podia ser canalizada pra criar ou destruir. Depois de terminar, Moe colocou os gigantes de fogo afundados na crosta da Terra, onde o grande calor deu vida a eles. A energia das máquinas alterou a composição da crosta, e os vulcões cuspiam com mais energia. Querendo ou não, Moe acabou salvando uma raça inteira.

Do calor desses gigantes, a nação do Fogo ressurgiu. Os descendentes do Reino do Fogo agora viviam de novo.

E então, o reino de Balthus foi reestabelecido.


5.3 Marceline e o Mago Ash

"Eu não quero um novo Hambo. Só existe um Hambo".
[Episódio 29, 5ª Temporada]

Quando Marceline acorda de sua linga hibernação, ela está pronta pra experimentar o mundo. Durante os séculos de sono, ela reprimiu muitas de suas dores e sofrimentos da juventude. Essas dores lutaram contra essa repressão, provocando pesadelos inimaginavelmente assustadores. Seu coração partido pelo abandono de Simon, aquela imensa solidão ao ver o melhor e único amigo partir e o seu pai não ser nada além de um bandido maligno, essas coisas ainda residiam em seu coração. Quando acordou, julgou estar recarregada e pronta pro mundo, mas no fundo sabia ser uma mentira.

Com Hambo e Schwabl, ela começa a desbravar o novo mundo que se formou durante seu sono, com o intuito de construir uma casa e uma vida. Em algum momento, ela encontrou o mago Ash. Ele era imprudente, imaturo, e um "babaca indiferente", segundo a Marceline. Se deram bem, já que Marceline estava no auge de sua raiva adolescente pós-hibernação, e portanto não eram muito diferentes. Começaram então a namorar, e tudo ia bem até eles acharem uma casa pros dois: a árvore onde Finn e Jake um dia morarão. Nessa casa, um dia, Ash brincou com o passado problemático de Marceline, e tudo desmoronou. Arrogante e apático, ele roubou o ursinho Hambo, presente que recebeu de Simon pra parar de chorar na rua. O mago trocou o urso com uma bruxa chamada Maja, recebendo uma varinha mágica pouco valiosa. Ao descobrir, uma raiva insana a tomou, fazendo com que ela jogasse seus imensos poderes vampirísticos sobre o agora aterrorizado mago. Óbvio, o relacionamento acabou.

Não demorou muito pro passado dela alcançá-la. Ela percebeu que não pensou direito com a pressa de ir embora e começar tudo de novo, e isso custou-lhe o seu tão especial Hambo. Com essa perda devastadora, ela acabou empurrando o seu passado pra algum lugar ainda mais profundo na sua mente. Ela logo conseguiria entrar em paz com isso.


5.4 - O Mágico banido

"Mágico, me incomoda ver isso. lembro de quando você era bem legal, antes da noite que você passou no Monte Olimpo com a Margles. O que aconteceu, Mágico? Por que você ficou maluco? Se você aprendesse a se importar com as coisas vivas de novo, poderia voltar quando quisesse!"
[Episódio 15, 4ª Temporada]

Durante o milênio que sucedeu a ia de GOLB à Marte, o Mágico se tornou uma criatura horrenda e depravada. Ele se tornou um cara extremamente poderoso que vive de pregar pegadinhas que continham pouco ou nenhum humor, já que eram atrocidades.

"Praga das Sombras. O Mágico deu vida às nossas sombras. Elas nos atacaram e devastaram Marte. Aí a Praga da Unidade. Enquanto nos uníamos e dávamos as mãos pra cantar a música de nossa comunidade, o Mágico fez com que nossas mãos se unissem. Muito sofrimento. E aquela vez que ele transformou toda a água em cabelo, e ficamos com tanta sede que bebemos mesmo assim? E quando bebemos, ficamos carecas! Muitos de nós não se recuperaram, e escondem a perda embaixo de capacetes"

Em resposta, Abraham Lincoln, governante de Marte, e Grob Gob Glob Grod baniram o Mágico pra Terra, onde eles esperam que ele aprenda a amar as pessoas de novo, e se recupere de sua insanidade. Pelo o que sabemos até agora, a punição não foi nada eficiente.


5.5 - Jujuba cria o Earl

"Não...ele é o comandante legítimo pela lei do reino. É complicado. Eu criei o Limãograb. Ele foi o primeiro dos meus experimentos a dar errado".
[Episódio 5, 3ª Temporada]

Graças à Princesa Jujuba, o Reino goza de paz e felicidade sem precedentes. Por conta de suas ações serenas e diplomáticas, o cenário político da Terra de Ooo é definido, e o maior mal que já andou pela Terra ficará preso por muito tempo. Mas a Princesa é paranoica, quem sabe com razão. Ela se lembra de como o mundo era quando pisou pela primeira vez nele, como também de todos os desafios e perigos que superou pra garantir a paz em seu Reino. Como resultado disso, ela passa todo o seu tempo pesquisando, experimentando e inventando, assiduamente focada no seu objetivo de garantir a prosperidade de suas terras.

Uma de suas maiores preocupações é sobre quem vai comandar o Reino depois que ela se for. Seja pela idade ou por um incidente, ela sabe que um dia perecerá. O resultado do vácuo no poder e um líder incapaz de comandar seria desastroso. Por isso ela começa a criar um herdeiro. Em seu experimento mais audacioso até agora, ela usa um tipo único de Doce, que não é feito pelo Neddy: Doce de Limão. Tudo parece ir bem no início: o corpo está estável. Ela colocará uma parte dela mesma no experimento com o intuito de transformar sua personalidade e suas faculdades mentais em algo maravilhoso. O contrário acontece.

Da mesa de operações, a criação surge. Com olhos frios e azedos, e um sangue amarelo e amargo, Limãograb silenciosamente pondera sobre seus primeiros momentos de vida. Então os gritos agudos começam. Sem razão alguma, o herdeiro da Jujuba começa a gritar e destruir tudo ao seu redor como um maníaco, gritando "INACEITÁVEL". Ela, horrorizada, após alguns momentos observando sua criação monstruosa, chama os guardas e consegue dominá-lo. Com ele preso, ela tenta por dias colocar no caminho certo a personalidade e comportamento do herdeiro. Sem sucesso e sem alternativas, ela o bane pra um condado mais ou menos longínquo. Com sorte, essa será a última vez que ouvirá dele.


5.6 Jujuba e Marceline

MARCELINE: Bonibbel Bubblegum, sempre tããão preparada.
JUJUBA: Sim, eu sempre tenho que estar "tão preparada". Nós não podemos improvisar. Eu nem sempre tive que me preocupar com tantas coisas, sabe? O Reino Doce costumava ser tão pequeno, manejável. Então ele continuou crescendo, e crescendo, e sempre teve um novo desastre fazendo a gente se preparar.
MARCELINE: Foi...por isso que você parou de falar comigo?
JUJUBA: Não, eu...eu perdi meu chapéu. Perdi minha casa. Perdi meu povo. Não consigo nem tirar esses bichos do meu jardim de abóboras. Eu tentei. Eu realmente tentei. Eu só...achei que se eu fugisse de tudo e focasse no meu trabalho tudo ficaria bem. E olha aonde isso me levou. Tudo o que eu faço é afastar as pessoas de mim. Eu te afastei. Eu sinto muito, Marceline. Eu tenho sido ruim com você.
[Episódio 2, 7ª Temporada]

Há alguns séculos, Jujuba e Marceline tiveram um caso. A Rainha Vampira e a Princesa do Doce não tinham como ser mais opostas. Uma sendo inconsequente e sozinha, a outra dando o coração e a alma pelo seu Reino e seu povo. Primeiro elas brigavam, e Marceline era um incômodo pra Princesa. Depois começaram a se respeitar. Isso evoluiu pra amizade, e depois amor. Parece que até na Terra de Ooo os opostos se atraem.

As duas namoraram por um tempo. Se foram dias, anos, décadas ou séculos não sabemos. Infelizmente, conforme o reino crescia, a Princesa ficava cada vez mais presa ao trabalho, até chegar ao ponto de ignorar Marceline. Uma fenda surgiu entre as duas, já que do lado de Marceline, sua imaturidade e sua dificuldade em lidar com o passado impediam-a de se dedicar às pessoas e a um relacionamento. Chegou em um momento que pararam de se falar, e quando se viam sentiam a mesma coisa, em silêncio.

6. Era do Jake, o Cão

As décadas que levaram à Era Moderna


6.1 Joshua, o Caçador de Demônios

Joshua, o cão, pai do Jake, da Jermaine e pai adotivo do Finn, era também um grande caçador de demônios. O cachorro de palavras rápidas e semblante calmo vivia e respirava aventura, um estilo de vida que um dia seria levado por dois de seus três filhos.

Provavelmente o maior adversário do Joshua era o demônio vermelho Kee-Oth, um demônio do sangue que tinha como maior objetivo sugar o sangue dele. Os dois tiveram uma longa rivalidade sem vencedor ou perdedor. Até que um dia Joshua veio com um plano. Quando os dois lutaram de novo, o esperto cão aparentemente caiu no chão, ficando vulnerável pro demônio cravar seus dentes. Uma breve sensação de surpresa tomou o corpo de Kee-Oth antes de outra sensação: o sangue fez com que seu corpo queimasse. Acontece que Joshua bebeu um monte de água benta antes da luta, que foi para o sangue e envenenou o inimigo. Dilacerado, começa a sugar o próprio sangue, criando assim a Espada de Sangue de Demônio. Joshua consegue matar o bicho antes dele conseguir usar sua nova arma, jogando água benta no seu corpo envenenado. Com ele no chão, fraco e com dor, Joshua recita o encanto do banimento. Depois, ele pega a espada pra ele, e torna-a a espada da família. Depois, com a morte de Joshua, Finn passa a usar a espada como sua principal arma por um tempo.


6.2 Nascimento da Princesa do Fogo

MENSAGEIRO: A palavra! A palavra!
REI DO FOGO: Qual é a palavra?
MENSAGEIRO: A palavra é que o seu bebê recém-nascido terá poderes que você nunca conseguiu imaginar.
REI DO FOGO: Hm...jogue o bebê na selva e deixe-o perecer.
[Episódio 32, 5ª Temporada]

Desde a chegada dos Gigantes de Fogo, o Reino do Fogo caiu nas mãos de uma linhagem Real maligna. Ou isso, ou todos no reino são inerentemente maus. O então Rei do Fogo governa com mãos de ferro, e protege o seu poder mais do que qualquer coisa no mundo. Porém, uma ameaça ao seu trono chega em forma de profecia. Sua filha recém-nascida, segundo ela, teria um poder extremo e inimaginável, passando de longe os seus. O malvado pai ordena então que sua filha seja levada pra uma floresta de Ooo pra morrer, mas o plano dá errado quando a Realidade prova que as pessoas dessa terra não são como o de seu reino.

Ao invés de abandonar o bebê, como ordenado, o mensageiro a deixou com um homem que morava na floresta. A boa intenção do homem causa coisas ruins. O bebê, cheio de energia e com poder imenso, começa a correr pela floresta, incendiando-a. A Princesa Jujuba, vendo o incêndio, vai investigar e descobre o ocorrido, e furiosa, devolve o bebê ao Reino de Fogo. Ela pede que o Rei mantenha a bebê viva, e em tom ameaçador, dá a entender que caso ele não seja complacente, haverão consequências. Como mais uma prova de seu poder na terra de Ooo, o Rei do Fogo, à contragosto, aceita. Só que sua ideia de "manter viva", infelizmente, não passa muito disso. Por quarenta anos ele deixa a filha presa em um lampião acima de seu trono. Sem amigos ou muito contato social, ela cresce imprudente e inclinada a explosões de raiva, embora seu coração, embaixo daquilo tudo, continuasse gentil e doce.

A profecia era verdadeira. Até agora, em todo o universo do Hora de Aventura, ela é uma das Entidades mais poderosas que apareceram no desenho (se não a MAIS poderosa). Nas vezes em que foi vencida, foi pela sorte, e se quiser pode destruir tudo o que estiver a sua frente. A Jujuba chegou a temer que ela destruísse o planeta inteiro em um dos seus acessos de fúria, o que quase acontece quando beija o Finn.


6.3 Joshua tem Jake e Margareth tem Jermaine

"Sim, tivemos um garoto que eu pari e uma garota que você pariu. Nunca vamos contar como isso aconteceu"
[Episódio 16, 6ª Temporada]

Depois de se aposentar das suas caçadas de demônio, Joshua formou um par de detetives particulares com sua esposa Margaret. Os dois operavam seu negócio em um apartamento localizado numa velha cidade da era da Guerra do Cogumelo, que foi enfeitado com a descoberta da gravidez de Margaret. Nasceria Jermaine.

Um dia eles recebem um novo caso: a Dona Tromba alega que estão roubando suas tortas. Os dois se dirigem ao local, onde ela e o seu então marido Wyatt se encontram. O caso logo se prova uma porcaria, já que quase instantaneamente Wyatt se entrega e revela que era ele o ladrão. Mesmo assim, ela ainda está preocupada, porque tinha a impressão de ter uma espécie de entidade maligna pela região, e outros moradores vizinhos concordavam. Algumas pistas davam razão à preocupação da pequena elefanta: sentimentos estranhos e grandes pegadas na floresta. Ignorando a preocupação de Joshua e a segurança do bebê, Margaret resolve seguir tais pistas, ansiosa por alguma aventura.

Os dois então partem pra floresta, onde são seguidos de perto por uma criatura. É um Shape-Shifter (aqui foi traduzido como "Criatura Venenosa"), bicho que pode mudar sua forma, e que quer se reproduzir. O bicho entra em confronto dos dois e aparentemente "engravida" Joshua ao morder sua cabeça. Pensando que seu marido está envenenado, Margaret dá um jeito no Shape-Shifter e leva o marido pro apartamento. Assim que o acomoda por lá, ela volta pra floresta em busca do bicho pra pegar seu sangue e criar um antídoto.

Ela segue uma trilha de "sangue" que caía da criatura por conta do golpe desferido por Margaret, e tal trilha a leva pra uma espécie de banco. O bicho transformou esse banco em um lar, e lá ela acha um monte de parafernália de bebê: brinquedos, mamadeiras, fraldas, etc. Ela começa a acreditar que a criatura era o bebê, sem se dar conta que aquelas coisas todas eram uma preparação pro filho que o bicho teria. Esse filho começava a sair da cabeça de Joshua, lá no apartamento, de forma extremamente dolorosa. Depois de uma pequena briga, Margaret consegue um pouco da saliva da Criatura Venenosa e corre pra cidade.

No apartamento, Joshua destruiu completamente o apartamento enquanto agonizava de dor entrando em trabalho de parto craniano, ou seja lá como se chama isso. Ela segue a trilha de destruição até encontrá-lo agonizando em um canto, e nesse momento ela também entra em trabalho de parto. Jake sai de forma nojenta e repulsiva da cabeça do pai (o milagre da vida, dizem), faz uma apresentação bizarra que remonta ao sapo Michigan J. Frog, protagonista de um clássico episódio de desenho, e desmaia. Presenciar essa cena ultra bizarra aparentemente ajuda o parto de Margaret, que tem a filha de maneira muito mais suave. Dois já foram. Falta um.


6.4 Finn, o Humano, nasce

FINN: Ei, Martin, acho que eu preciso muito de algumas respostas. Tipo de onde eu vim. Ou quem é minha mãe.
MARTIN: Haha, Ooops. Er...ok. Encurtando a história. Você nasceu em uuuuum barco, eu acho. Tipo um banana boat. No meio do oceano. Entãããão, todo o tipo de coisas tentou te comer. Baleias e peixes. Lulas. Er...tinha um tigre. Eeeeee algas! Essas...algas...sua mãe estava...ok, sei lá, falar sobre isso me estressa. Talvez mais tarde. Então, um dia eu fui chamado pra uma missão perigosa, ou uma decisão de vida perigosa, sabe? Duas estradas divergindo no meio da noite, essas coisas. E eu não podia te trazer junto. Eu sempre planejei voltar mas não voltei. Essa...é a...verdade. Fim!"
[Episódio 27, 6ª Temporada]

Se podemos confiar nas palavras de Martin, Finn nasceu em um banana boat no meio do oceano. O medo irracional de oceanos - não de água, não de grandes quantidades de água: de oceanos - do Finn parece dar algum crédito pra história. Além disso, não sabemos nada sobre as circunstâncias de seu nascimento.


6.5 Joshua e Margaret adotam Finn

"Olha! É o cachorro! Aquele que a profecia disse que iria encontrar!"
[Episódio 15, 4ª Temporada]

Um pouco depois de darem à luz, Joshua e Margareth encontram Finn nas florestas de Ooo. Os dois nem pestanejam e adotam o bebê, completando sua família. Finn e Jake um dia se mudam pra árvore, enquanto Jermaine decide ficar na casa de seus pais protegendo-a dos demônios que apareciam constantemente pra roubar os objetos que seu pai conseguiu durante sua carreira.

Aparentemente a adoção de Finn foi um ato do Destino, e não uma coincidência, especialmente quanto à amizade com Jake. Acontece que Jake é um espírito reencarnado. Se você se lembra do início desse post, o Orgalorg, aquele monstro temido que queria poder e acabou sendo aprisionado na Terra na forma de um pinguinzinho tentou tragar a essência de um Cometa Catalisador amarelo. Não sabemos ainda se ele é de fato o avatar do Cometa amarelo, mas tudo indica que sim: ele é a reencarnação do Tigre da Shoko, a ladra que foi uma das vidas anteriores do Finn. O desenho ainda não mostrou isso, mas um dos roteiristas do desenho, Jesse Moynihan confirma a informação.

A conexão entre Finn e Jake provavelmente vai muito mais além: no episódio 'Filhos de Marte', os dois acabam no planeta vermelho, na presença do G4 e de Abraham Lincoln. Eis que G4, ao ver os dois juntos, cita uma profecia que falava sobre o encontro.

7. Era do Finn, o Humano

Os episódios do desenho, no tempo presente


A aventura vai começar,
Todos juntos vamos visitar
o mundo de Jake e seu amigo Finn.
Diversão é aqui!
Hora de Aventura!

Novos e arcaicos males se movimentam como sempre se movimentaram, e na colorida Terra de Ooo, dois novos heróis surgem pra enfrentá-los. Finn, o Humano, e Jake, o cão. Irmãos e protetores do Reino do Doce, respiram aventura e ação. Hora de Aventura é a história da aventura dos dois, junto com as pessoas que amam.

Nesse capítulo, você verá uma lista de episódios com acontecimentos importantes da Era Moderna. Assista-os. Se você é desses que ODEIA spoilers, sugiro passar voando por essa parte sem nem ver.

O início:

1ª Temporada:

Episódio 2 - Apresenta a Princesa Caroço
Episódio 3 - Apresenta o Rei Gelado
Episódio 4 - Apresenta a Dona Tromba
Episódio 5 - Finn e Jake recuperam o Enquirídio
Episódio 7 - Apresenta o Ricardio
Episódio 9 - Apresenta a Lady Íris
Episódio 10 - A adoção do Finn
Episódio 12 - Apresenta a Marceline
Episódio 15 - Apresenta o Neptr
Episódio 16 - Mostra o medo irracional do Finn por oceanos
Episódio 22 - Finn vira amigo de Marceline
Episódio 25 - Apresenta o Billy

2ª Temporada:

Episódio 1 - Apresenta Hunson Abadeer
Episódio 8 - Dona Tromba retorna
Episódio 10 - Finn corta o cabelo da Princesa Jujuba
Episódio 11 - Gunter dá à luz
Episódio 12 - Guerra entre cães e íriscórnios
Episódio 17 - Apresenta a Morte
Episódio 18 - Apresenta Susan e os Hyoomans
Episódio 22 - Apresenta o Elefante Psíquico da Guerra Pré-Histórico

Saga do Lich - Parte 1

2ª Temporada:

Episódio 25 - O Lich escapa
Episódio 26 - Princesa Jujuba é possuída pelo Lich

3ª Temporada:

Episódio 5 - Apresenta o Limãograb e Princesa Jujuba volta ao normal

Interlúdio

3ª Temporada:

Episódio 3 - Como Marceline perdeu Hambo
Episódio 6 - Princesa Caroço foge pela primeira vez
Episódio 7 - Finn faz o primeiro contato com o espírito do seu Cometa
Episódio 10 - Apresenta o passado de Marceline
Episódio 12 - Apresenta a Shoko
Episódio 14 - Finn ajuda Suzana Forte
Episódio 18 - A Coruja Cósmica aparece em um sonho do Jake
Episódio 19/20 - Os vídeos de Simon Petrikov
Episódio 25 - Uma olhada no passado de Joshua

4ª Temporada:

Episódios 5 e 6 - Hunson tenta enganar Marceline pra ela herdar a Noitosfera
Episódio 10 - Princesa Jujuba cria um novo herdeiro
Episódio 12 - Princesa Caroço vai viver na floresta
Episódio 15 - Apresenta o G4 e Abraham Lincoln. Passado do Mágico.
Episódio 19 - Lady Íris engravida
Episódio 20 - Limãograb retorna
Episódio 25 - Marceline finalmente volta a ter uma amizade com o Rei Gelado

A saga da Princesa de Fogo - Parte 1

3ª Temporada:

Episódio 26 - Apresenta a Princesa de Fogo

4ª Temporada:

Episódio 1 - Finn tenta se reconciliar com a Princesa de Fogo
Episódio 16 - Finn e a Princesa do Fogo vão a um encontro
Episódio 22 - Finn e Jake impedem um golpe no Reino do Fogo

A saga do Lich - Parte 2

4ª Temporada:

Episódio 7 - Um urso consegue o Enquirídio
Episódio 18 - Finn sonha com o que está por vir
Episódio 26 - O Lich mata Billy e deseja o fim de toda a vida

5ª Temporada:

Episódio 1 - Finn deseja que o Lich nunca tenha existido e cria uma linha de tempo paralela
Episódio 2 - Jake corrige o desejo de Finn

Interlúdio 2:

5ª Temporada:

Episódio 6 - Os filhotes do Jake e da Lady Íris chegam
Episódio 9 - Limãograb retorna outra vez
Episódio 14 - A história de Simon e Marceline
Episódio 23 - O passado criminoso de Jake é revelado
Episódio 28 - Uma viagem ao local de nascimento do BMO
Episódio 29 - Hambo, o ursinho de pelúcia, é resgatado
Episódio 34 - Shoko e Princesa Jujuba se encontram

A Saga da Princesa de Fogo - Parte 2

5ª Temporada:

Episódio 12 - Finn e a Princesa de Fogo vão em mais um encontro
Episódio 16 - Visão do GOLB
Episódio 30 - Princesa de Fogo termina com o Finn
Episódio 32 - Ela toma o trono do pai
Episódio 33 - O antigo Rei de Fogo planeja um golpe contra a filha

Intervalo 3

5ª Temporada:

Episódio 31 - Finn reprime seu recente término enquanto o Condado do Limão desmorona
Episódio 40 - Rei Gelado fica na casa de Finn e Jake enquanto seu Reino é reconstruído
Episódio 41 - O antigo inimigo de Joshua sequestra Jake
Episódio 42 - Os Ooozers retornam
Episódio 44 - O casamento da Dona Tromba
Episódio 45 - Finn pega a espada de grama
Episódio 46 - O Chicletão retorna
Episódio 48 - Betty chega no futuro
Episódios 50/51 - Lemonhope salva o Condado

A Saga do Lich - Parte 3

5ª Temporada:

Episódio 52 - Finn termina a lista do Billy de coisas pra fazer antes de morrer

6ª Temporada:

Episódio 1 - Lich mata Prismo
Episódio 2 - Finn encontra o pai
Episódio 3 - Ooozers atacam o Reino do Doce
Episódio 4 - Finn tenta roubar o braço de Martin
Episódio 6 - Finn consegue um novo braço

Intervalo 4

6ª Temporada:

Episódio 10 - Maja ataca o Reino do Doce
Episódio 12 - O filho do Jake se revela um idiota
Episódio 16 - A história do nascimento do Jake
Episódio 19 - Prismo é revivido
Episódio 20 - Vários insights sobre personagens desaparecidos
Episódio 22 - A história dos Gigantes de Fogo
Episódio 24 - A história da criação da Coroa
Episódio 28 - Finn e Limãograb veem coisas estranhas
Episódio 33 - Finn e Jake visitam Jermaine
Episódio 35 - Uma pequena olhada no futuro de Ooo
Episódio 38 - Betty se torna a Mágica

Saga do Orgalorg

6ª Temporada:

Episódio 25 - Apresenta os Cometas Catalisadores
Episódio 27 - Martin chega em Ooo
Episódio 36 - Orgalorg começa a despertar
Episódio 40 - A história do Orgalorg
Episódio 41 - Martin escapa
Episódio 42 - Orgalorg inicia seu plano
Episódio 43 - Finn derrota Orgalorg

Intervalo 5

7ª Temporada:

Episódio 1 - A história do nascimento da Princesa Jujuba
Episódio 2 - Princesa Jujuba e Marceline lembram do passado

Saga dos vampiros da Corte:

7ª Temporada, episódio 6 até o 13 e minissérie "Stakes"

Intervalo 6:

7ª Temporada, episódios 14/15: AMO retorna


8. Era Futura

Um milênio pra frente da Era Moderna

Agora, mil anos depois da saga, pra onde foram os nossos heróis? Como os reinos estão? Finn e Jake derrotaram o Lich de uma vez por todas de acordo com as profecias do Enquirídio e do G4? Betty, a Mágica, e Simon, o Rei Gelado, um dia se libertaram de suas maldições e conseguiram retornar ao amor destruído pela Coroa? Marceline e Princesa Jujuba voltaram a ficar juntas? E quanto a todos os outros? E quanto ao novo Cometa Catalisador que vai chegar?

A casa dos nossos heróis cresceu até o céu. O Reino do Doce está dormente, guardado pelo Anjo da Guarda. Um monstro conhecido como a Coisa de Gelo agora é o Rei do Reino Gelado. Lemonhope e Cuber passam por um cenário cheio de coisas futurísticas destruídas até chegarem em uma cidade destruída como todas as outras depois da Antiga Grande Guerra.

Isso é tudo o que sabemos. Uma baita aventura. Agora é esperar mais informações. Aposto que vai ver o desenho com outros olhos agora. Até a próxima!



0 comentários: